Reprodução
Reprodução

Árbitro é espancado até a morte após expulsar jogador durante partida em El Salvador

Jose Arnolda Amaya, de 63 anos, foi agredido com chutes e sofreu hemorragia interna; agressor foi preso nesta terça-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2022 | 12h51

Um caso de violência chocou o mundo do futebol no último domingo. O árbitro Jose Arnolda Amaya, de 63 anos, foi espancado até a morte após mostrar cartão vermelho para o jogador Juan Manuel Cruz Lorenzana, durante partida no Estádio de Toluca, em El Salvador. Segundo o jornal local El Clarín, o juíz teria sido derrubado pelo atleta com um chute no peito e agredido com diversos golpes até ficar inconsciente. 

Ainda segundo a publicação, Amaya chegou a ser socorrido, mas morreu no caminho para o Hospital Zacamil, na capital São Salvador. A causa do óbito foi uma hemorragia interna. Na segunda-feira, a Federação Salvadorenha de Futebol (FESFUT) divulgou nota repudiando veementemente o episódio. 

"Como federação, repudiamos todos os atos de violência que estão ocorrendo nos diferentes cenários esportivos do país", escreveu a entidade. "A FESFUT se une à dor que atinge a sua estimada família."

Lorenzana estava foragido desde o fim da partida, mas foi preso nesta terça-feira, na colônia de Miramonte. Em seu perfil no Twitter, a Polícia Nacional Civil publicou uma foto do jogador preso com a seguinte legenda: "nenhum crime ficará impune". Ele será acusado pela morte do árbitro.

"Este é um ato de intolerância, como muitas manifestações de violência que existem em todo o mundo em torno deste esporte, que a maioria gosta, mas que não reflete El Salvador que merecemos", disse Gustavo Villatoro, ministro da Justiça e da Segurança Pública do país da América Central. 

Amaya pertencia há mais de 20 anos à Associação Nacional de Árbitros de El Salvador (AAFES). Ele dirigiu em torneios coloniais, colegiados e Liga Amadora na ADFA SAN SALVADOR. Seu corpo foi enterrado nesta terça-feira em Soyapango, cidade da Região Metropolitana de São Salvador. O crime chocou o país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.