Ricardo Duarte / S. C. Internacional
Ricardo Duarte / S. C. Internacional

Árbitro relata em súmula que foi xingado por diretor do Inter após jogo no Sul

Presidente do Inter reclama de gol anulado do time gaúcho e afirma que Ricardo Marques Ribeiro esperou informação externa

Estadão Conteúdo

23 Outubro 2018 | 10h02

O árbitro Ricardo Marques Ribeiro relata ter sido chamado de "safado" pelo diretor de futebol do Internacional, Rodrigo Caetano, na súmula da partida entre o time gaúcho e o Santos, válida pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro e disputada na noite de segunda-feira, no Beira-Rio, em Porto Alegre. O confronto, que terminou em empate por 2 a 2, ficou marcado pela polêmica anulação do gol de Leandro Damião no começo do segundo tempo. No documento oficial do jogo, também foi apontada a invasão de campo do técnico Odair Hellmann, da equipe gaúcha.

"Relato que após o término da partida, o treinador da equipe do Inter, Odair Hellmann, invadiu o campo de jogo, se dirigindo ao sexteto de arbitragem e de forma não agressiva, proferiu as seguintes palavras: 'Isto é um absurdo. Vocês demoraram 10 minutos para definir o lance e erraram feio. O lance foi muito claro. Vocês erraram e definiram o campeonato'", apontou o árbitro.

No lance, Víctor Cuesta dividiu com Carlos Sánchez e a bola sobrou para Leandro Damião. O centroavante aproveitou e mandou para o fundo das redes. O árbitro Ricardo Marques Ribeiro assinalou impedimento do jogador do Inter. Com dúvidas sobre quem tocou por último na bola (Cuesta ou Sánchez), o sexteto de arbitragem demorou mais de seis minutos para tomar uma decisão final, confirmando a anulação do gol.

Já nos vestiários, houve um novo atrito entre um membro do Internacional e a arbitragem. "Quando o sexteto de arbitragem se dirigia para o vestiário e passando pela zona mista, fomos abordados pelo sr. Rodrigo Vilaverde Caetano, gerente executivo de futebol do S.C. Internacional, que proferiu, em tom agressivo, as seguintes palavras: 'Vocês vão parar por que? Vocês decidiram o campeonato, erraram feio, seu safado, absurdo o que vocês fizeram aqui hoje'".

Ricardo Marques Ribeiro também confirmou que teve um bate-boca com o cartola. "Respondi em alto e bom som e repetidas vezes, com as seguintes palavras: 'Você me respeita, respeite a minha instituição. Eu nunca faltei com respeito a você. Eu exijo respeito, por favor, respeito'", relatou o juiz na súmula do jogo.

ESPERANDO O REPLAY

O presidente do Internacional, Marcelo Medeiros, disse que a indefinição em campo ocorreu porque a arbitragem ficou esperando por uma ajuda externa. Vale lembrar que o Campeonato Brasileiro não conta com o VAR (arbitragem de vídeo). "É inadmissível que seis homens levem mais de sete minutos para tomar uma decisão. Há duas interpretações. Se foi do Cuesta, é falta. Se foi do zagueiro, é legítimo o gol do Damião. Não precisa consultar assistente, quarto árbitro. Ficou claro que esperava uma informação, que não ocorreu", reclamou o dirigente.

O treinador Odair Hellmann também mostrou indignação com a decisão da arbitragem e reforçou o pedido pela implantação no VAR na principal competição nacional. "O Inter foi a favor do VAR. Eles precisam de ajuda, mas precisam ter humildade também. Todo final de jogo falam conosco e pedem para darmos moral. Não pode ficar sete minutos esperando uma decisão externa. No sétimo minuto o quarto árbitro vai lá, fala e estraga a situação. Saio daqui muito triste."

Com o empate, o Internacional chegou aos 57 pontos, mantendo a terceira posição, mas viu seus rivais diretos, Palmeiras e Flamengo, vencerem na rodada e abrirem vantagem nas duas primeiras posições. O time paulista é o líder, com 62 pontos, quatro à frente da equipe carioca.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.