Reprodução
Reprodução

Árbitro se esquece de transmissão ao vivo e urina dentro de campo na Copa do Brasil

Após episódio, associação sai em defesa e explica que responsável pelo jogo sofre de incontinência

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2021 | 09h30

A arbitragem no futebol brasileiro voltou à cena na Copa do Brasil. E não por erros ou acertos ou ainda abuso do uso do VAR. Desta vez, o caso é mais inusitado. Momentos antes de dar início ao jogo entre Boavista e Goiás, pela primeira fase da Copa do Brasil, nesta quinta-feira, o árbitro Dênis da Silva Ribeiro, de Alagoas, simplesmente urinou no gramado de costas para o banco de reservas, único lugar onde tinha gente no estádio.

Ele não levou em consideração que a partida estava sendo transmitida e havia TV no local, como em quase todos os jogos profissionais no Brasil. O torneio é nacional e um dos mais rentáveis para os clubes no calendário.

O árbitro, chamado no passado de "sua senhoria" numa alusão ao fato de que é ele quem manda na disputa, não quis correr para o vestiário dado o adiantado da hora e fez sua necessidade ali mesmo, sem baixar o calção, numa das cenas mais inusitadas neste ano do futebol brasileiro. O atacante Ronaldo foi flagrado em situaçao parecida dentro de campo, cuja imagem depois correu o mundo. Foi nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 1996, quando ele se sentou no gramado para o mesmo motivo, se valendo de uma bola para 'esconder' o gesto. O Brasil ganhou aquele jogo contra a Hungia por 3 a 1.

O gesto deixou incrédulos os torcedores nas redes sociais, que não acreditaram no que estavam vendo. A provável urina escorreu por entre seu uniforme e pernas. Depois disso, o árbitro amarrou o calção e deu início ao jogo. Em 90 minutos, o Boavista, do Rio, ganhou de 3 a 1 e eliminou o Goiás. O jogo ocorreu em Saquarema. O juiz não fez qualquer comentário após a partida.

Nesta sexta-feira, a Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf) emitiu uma nota para defender o árbitro. A entidade alegou que ele tem problema de incontinência urinária e não tomou o remédio necessário antes da partida. "Dênis não havia tomado o remédio antes da partida e, por isso, acabou passando por esse constrangimento flagrado pelas câmeras de TV. Pedimos empatia à sociedade e discernimento", manifestou a entidade.

O presidente da Anaf, Salmo Valentim, lamentou que o árbitro tenha sido alvo de deboche. "A sua boa atuação em Boavista x Goiás, na noite da última quinta-feira pela Copa do Brasil, terminou ofuscada por uma situação extremamente incômoda para quem, assim como ele, tem incontinência urinária", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.