Arce pode ficar para o Brasileiro

A fidelidade de Arce ao Palmeiras chegou ao seu ponto máximo antes da Copa dos Campeões. Exibindo 214 partidas com a camisa do clube desde 1998, o lateral aceitou reduzir o salário para prorrogar o contrato até o dia 10 de agosto. No entanto, ao contrário de anos anteriores, o paraguaio garantiu nesta sexta-feira que não vê maiores dificuldades para permanecer no Parque Antártica para o Campeonato Brasileiro. "Essa história de que recebi muitas propostas não é assim da maneira que contam. Claro que sondagens ao longo desses quatro anos e meio aconteceram, mas não sou jogador de sair de um clube só por sair. Fiquei satisfeito porque o Palmeiras demonstrou interesse pelo meu trabalho", declarou. Seu retrospecto é amplamente positivo no Palmeiras. Para rebater os que afirmam que só sabe bater faltas e escanteios, exibe a marca de 35 gols desde a estréia contra o Corinthians em 24 de janeiro de 1998, com vitória palmeirense por 4 a 2. Um rendimento respeitado até pelo presidente Mustafá Contursi, que abre mão da política de poucos investimentos no futebol quando o nome do paraguaio é citado. "Estou em um clube que me proporciona oportunidades de projeção. Aqui ganhei uma Libertadores (1999) e tive a chance de disputar um Mundial Interclubes (o Palmeiras perdeu para o Manchester United por 1 a 0 no mesmo ano). Mas é claro que todo mundo tem seus sonhos." Arce continua afirmando que ainda pretende jogar na Europa. Confessou nesta sexta-feira que após sua participação na Copa do Mundo da Coréia e do Japão pelo Paraguai recebeu uma proposta oficial, porém, incapaz de sensibilizá-lo. "Realmente eu devo ser um jogador diferenciado. Afinal, em oito anos de Brasil, joguei em apenas dois clubes (antes de chegar ao Palmeiras, Arce defendeu o Grêmio por três anos e meio). Não é comum se observar esse tipo de comportamento nos jogadores brasileiros nos dias de hoje." A empatia com o treinador Vanderlei Luxemburgo também pesará favoravelmente para que Arce siga no Parque Antártica. O único impasse no momento está relacionado à posição que o jogador ocupará a partir desta Copa dos Campeões. Luxemburgo já avisou que pretende escalar Leonardo, contratado por empréstimo junto ao Vasco até o fim do ano, na lateral direita. Com isso, o paraguaio seria deslocado para o meio-campo. "Já joguei na meia durante mais de três anos no Cerro Porteño de Assunção, mas estava iniciando minha carreira. Claro que estou sempre disposto a colaborar, mas é necessário um período mínimo de readaptação. Volto a dizer que o dia que não tiver mais gás para atuar na lateral serei o primeiro a anunciar o fato ao meu treinador."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.