Matthew Childs/Reuters
Matthew Childs/Reuters

Ardiles culpa AFA e Sampaoli por vexame argentino e chama técnico de 'ignorante'

Ídolo histórico afirma que Messi amenizou decadência do futebol argentino nos últimos anos

Estadão Conteúdo

22 Junho 2018 | 08h26

Campeão mundial com a Argentina em 1978, Osvaldo Ardiles fez duras críticas à seleção argentina e à Associação de Futebol Argentino (AFA) pela campanha na Copa do Mundo até aqui. Um do maiores alvos do ex-jogador foi o técnico Jorge Sampaoli, que comandou a equipe nacional no empate por 1 a 1 com a Islândia, no último sábado, em Moscou, e na derrota por 3 a 0 para a Croácia, nesta quinta-feira, em Nijni Novgorod.

Imprensa croata exalta vitória sobre Argentina: 'Fizemos Maradona chorar'

+ Em conversa vazada, Simeone vê Argentina perdida na Copa: 'Não há liderança'

+ Sampaoli defende Caballero e Messi e assume responsabilidade por derrota

"Sampaoli: grosseiro. Termina seu ciclo insultando jogadores croatas. Arrogante, ignorante. Apesar de ter o melhor jogador do mundo, não foi capaz de armar uma equipe competitiva. Nunca escalou o mesmo time enquanto esteve à frente da seleção", escreveu o ex-jogador no Twitter nesta sexta-feira.

"Estratégia. Plano A de Sampaoli: dar a bola a Messi e esperar um milagre. Plano B: erro. Não há plano B. Muito menos C e D. Na defesa: fazer faltas. Onde quer que seja, não importam as circunstâncias e as consequências", completou. O atual treinador da seleção substitui Edgardo Bauza, que durou de agosto de 2016 a abril de 2017 à frente da equipe.

Para Ardiles, a principal culpada pelo provável fracasso argentino no Mundial é da entidade que organiza o futebol do país. "Crônica de uma morte anunciada. De campeã do mundo a pior seleção da história da Argentina. Por onde começar? Por cima. AFA, de papelão a papelão. Votação 38 a 38", afirmou.

 

O ex-jogador fez menção à polêmica votação para presidência da AFA realizada em 2015, quando os candidatos Luis Segura e Marcelo Tinelli empataram com 38 votos cada em um pleito que teve 75 eleitores. Ardiles acredita também que os jogadores têm responsabilidade, mas eximiu Lionel Messi de culpa.

"Toda a decadência argentina nos últimos anos foi amenizada por esse gênio incomparável, que tivemos a sorte de ter nascido em nosso país. Mas, mesmo para ele, no final das contas era muito a ser feito. Leo: muito obrigado por tudo. E muita sorte no futuro", desejou.

Desesperada, a Argentina terá de vencer a Nigéria na última rodada do Grupo D, às 15 horas (de Brasília) da próxima terça-feira, em São Petersburgo. Também é provável que tenha de tirar uma diferença significativa de saldo de gols, que após dois jogos é de três negativos, e torcer contra a Islândia no confronto com a Croácia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.