Paulo Favero/ Estadão
Paulo Favero/ Estadão

Arena Barueri tem público muito pequeno antes do jogo e raros são-paulinos

Até os ambulantes e flanelinhas reclamam da ausência de torcedores no local

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

05 Fevereiro 2017 | 15h37

Vampeta, presidente do Audax, não está sendo criticado apenas pela torcida do São Paulo por ter colocado ingressos a preços altos para o jogo entre as equipes na Arena Barueri. As pessoas que ganham alguma coisa no entorno do estádio, como ambulantes, flanelinhas e donos de barraquinhas de comida lamentaram o público pequeno para o duelo.

Antes do apito inicial, a movimentação de público era bem pequena e as barracas estavam vazias. Um ambulante, que preferiu não se identificar, disse que naquele horário já era para estar cheio. "Trouxe camisas do São Paulo e arrisquei, pois achei que teria mais gente. Sabia do boicote, mas vim mesmo assim. Não valeu a pena", comentou.

As barracas que vendiam cachorro quente, sanduíche de pernil e bebidas estavam vazias, sem nenhum cliente. Tinha mais policiais em seus cavalos e fiscais da CET do que torcedores fora do estádio. Na ultima parcial de ingressos, 1.600 bilhetes haviam sido vendidos, e um preço mínimo de R$ 100 (sem contar meia-entrada). Foi o custo alto que promoveu o boicote das organizadas do São Paulo ao jogo.

Wilson Wakamatsu foi um dos tricolores que apareceu no estádio em Barueri. Morador de Cotia, o senhor foi com um amigo à arena e não sabia do boicote. "Vim cedo para achar lugar para o carro e achei que estaria cheio. Não sabia do boicote. Estava achando estranho mesmo só ter eu por aqui. É uma pena, o Vampeta exagerou no preço", disse.

 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo FC Futebol Audax

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.