Sergio Perez / Reuters
Sergio Perez / Reuters

Arena do Atlético de Madrid recebe a grande final da Liga dos Campeões

Decisão está marcada para o dia 1º de junho no Wanda Metropolitano, a casa do clube espanhol que custou R$ 1,1 bilhão

Luís Filipe Brito Santos, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2018 | 05h00

Inaugurado oficialmente há um ano, o estádio Wanda Metropolitano já se prepara para receber uma partida histórica, mesmo sem saber quem estará nela: a final da Liga dos Campeões está marcada para a nova casa do Atlético de Madrid, que recebeu o primeiro jogo oficial em setembro de 2017. A decisão será dia no dia 1.º de junho. 

O estádio é considerado um dos mais modernos do mundo, tem capacidade para 73.729 pessoas e custou ¤ 306 milhões para ser erguido (R$ 1,1 bilhão, na cotação da época – menos do que a Arena Corinthians e o Mané Garrincha). Parte do dinheiro foi gasta para adquirir o terreno e urbanizar os arredores do local, além do pagamento de impostos. Já recebeu a disputa da Supercopa da Espanha deste ano, vencida pelo Barcelona sobre o Sevilla por 5 a 0, e a vitória da seleção espanhola sobre a Argentina por 6 a 1, em amistoso.

Inicialmente, o estádio foi construído para receber competições de atletismo. Inaugurado em 1994, seria o Estádio Olímpico de Madri caso a capital da Espanha tivesse tido sucesso nas suas candidaturas para receber os Jogos Olímpicos de 2012, 2016 ou 2020 – antes mesmo da recusa para esta última, já estava em obras. Como a cidade não foi escolhida para ser sede da Olimpíada, o campo se tornou exclusivo para a prática do futebol e passou para o controle do Atlético de Madrid, que mandava suas partidas no Vicente Calderón.

Até agora, o Wanda Metropolitano já recebeu 30 partidas do clube. Registra 20 vitórias, seis empates e quatro derrotas. O jogo de abertura ocorreu em 16 de setembro de 2017, pelo Campeonato Espanhol, quando o time derrotou o Málaga por 1 a 0, e Griezmann teve a honra de marcar o primeiro gol da arena.

Os naming rights do estádio pertencem ao grupo chinês Dalian Wanda, que possui shopping centers, supermercados e hotéis na China, e é dono de 20% das ações do Atlético de Madrid. O acordo é válido por dez anos com pagamento de ¤ 10 milhões (R$ 48,8 milhões) por ano. O nome Metropolitano faz referência ao estádio que foi a segunda casa do Atlético, onde o time mandou jogos entre 1923 e 1966.

Além da negociação pelos naming rights, o plano do clube madrilenho para pagar o estádio leva em conta o crescimento da arrecadação da equipe, que passou de 100 milhões de euros (R$ 485 milhões) em 2011 para ¤ 275,2 milhões (R$ 1,3 bilhão) em 2017, a partir da chegada do técnico Diego Simeone ao time e a evolução da equipe sob o comando do argentino.

O Atlético já chegou a três finais de Liga dos Campeões: na edição 1973/74, foi derrotado pelo Bayern de Munique. Em 2013/14, perdeu de forma dolorosa para o Real Madrid, após sair na frente no primeiro tempo, sofrer empate aos 48 do segundo e levar três gols na prorrogação. Em 2015/16, o rival foi novamente o Real, que triunfou nos pênaltis após empate por 1 a 1. Assim, o Atlético continua sem vencer o torneio europeu. Mas seu estádio é digno de final.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Liga dos CampeõesAtlético de Madrid

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.