Arena Pantanal realiza o primeiro teste de iluminação

Os 340 refletores já estão instalados no estádio, mas apenas metade foi testada

AE, Agência Estado

11 de março de 2014 | 15h44

CUIABÁ - Ainda em construção para receber partidas da Copa do Mundo, a Arena Pantanal, em Cuiabá, realizou, na noite de segunda-feira, o primeiro teste da iluminação do estádio, visando a sua partida de inauguração, o duelo entre Mixto e Santos, válido pela primeira fase da Copa do Brasil e que está marcado para o dia 2 de abril.

Todos os 340 refletores do estádio já estão instalados, mas apenas metade deles foi testado na última noite. Os responsáveis pela obra do estádio, porém, explicaram que todos eles serão acionados até o final desta semana. Além disso, eles passarão por um processo de focagem em direção ao campo, para atender as normas da Fifa. O gramado da Arena Pantanal também será marcado nos próximos dias para auxiliar nos testes de iluminação.

Segundo os responsáveis pela construção do estádio, a Arena Pantanal está com 97% das obras concluídas. As cadeiras na arquibancada superior do estádio ainda não foram instaladas. E o setor também não estará aberto no jogo entre Mixto e Santos, no início de abril.

Assim, aproximadamente 20 mil ingressos estão à venda para o jogo de inauguração, pois os torcedores ficarão somente na arquibancada inferior da Arena Pantanal, que, quando estiver concluída, terá capacidade para 44 mil espectadores.

Além da Arena Pantanal, o Itaquerão, em São Paulo, e a Arena da Baixada, em Curitiba, ainda não foram inaugurados e nem concluídos, mesmo que faltem menos de 100 dias para o início da Copa do Mundo.

A Arena Pantanal vai sediar quatro partidas do Mundial, todas elas válidas pela fase de grupos do torneio. São elas: Chile x Austrália, Rússia x Coreia do Sul, Bósnia x Nigéria e Colômbia x Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.