Argel é um problema para o Palmeiras

O Palmeiras vive um inferno astral e nãoestá acertando em suas últimas ações. O clube trouxe de volta ozagueiro Argel, há três semanas, para que o jogador reforçasse otime, disputasse o Mundial de Clubes e saísse do ostracismo.Para nenhum dos lados, no entanto, o negócio foi bom. OAlviverde acabou "comprando" um problema. O jogador não recebemais o mesmo tratamento dos companheiros e ainda não vem sendoaproveitado. O ambiente não está bom para ele, tanto que o presidenteMustafá Contursi aceita qualquer oferta para liberá-lo. Oprimeiro interessado é o Santos. O dirigente apenas o reintegrouporque não conseguiu contratar mais nenhum reforço e, também,porque estava pagando parte de seu salário. Quando deixou o clube, no início de março, após brigar com oentão técnico do time, Marco Aurélio, fez declarações queatingiram o grupo. Contou que após o jogo com o Corinthians,pelo Paulista, em fevereiro, na concentração, em Jarinu, osjogadores passaram a noite bebendo, fumando e jogando cartas.Sua intenção era atingir Marco Aurélio, mas acabou se indispondocom os colegas. Ninguém fala em público, com medo de secomprometer, mas alguns não gostaram da reintegração de Argel aoelenco. "Ele não foi leal com os companheiros", afirmou umjogador que não quis se identificar. Outros preferem ser diplomáticos e garantir que estão dandoapoio ao zagueiro. "Naquele momento, ele errou, mas pediudesculpas", comentou o volante Galeano, um de seus amigos. Argel não conta com a simpatia de todos. Pelo contrário.Aborreceu, e muito, o colombiano Muñoz. Durante o treino desegunda-feira, no Centro de Treinamento, o zagueiro deu umaentrada violenta no jovem atacante. Ele escapou das garras deArgel e não se machucou, mas não escondeu a revolta com aatitude do zagueiro. "Não gostaria de falar, mas a entrada foiforte, poderia ter me machucado. Ele não deveria ter feitoaquilo, não é legal acontecer isso entre companheiros." Além daentrada, Argel o ameaçou com nova entrada, caso tentasse umdrible. O zagueiro não quis comentar o fato. Está evitando aimprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.