Argel enfrenta técnico e é desligado

O técnico Marco Aurélio afastou o zagueiro Argel do time do Palmeiras, após o jogador ter criticado os critérios do treinador e declarar que não aceitaria ficar no banco de reservas. Argel foi avisado de sua dispensa pelo coordenador de Futebol, Márcio Araújo, na noite de quarta-feira e retornou imediatamente para São Paulo. O restante da delegação continuou em Jarinu, onde se prepara desde terça-feira para a partida contra o Rio Branco, sábado, em Americana, pelo Campeonato Paulista.O passe de Argel pertence à Parmalat e ele está emprestado ao Palmeiras até o fim do Mundial de Clubes da Fifa, em agosto. Antes de deixar a concentração, o zagueiro afirmou que parte do grupo já não apoia mais o técnico Marco Aurélio. "Há algo de estranho no Palmeiras desde o início do ano. Não é só esta viagem a Jarinu que foi estranha. Os resultados mostram isso", desabafou.Em 2001, o Palmeiras venceu apenas duas partidas das oito disputadas. Acumula ainda quatro derrotas e dois empates, além da eliminação do Rio-São Paulo. Argel rebateu as declarações de Marco Aurélio, sobre o fato de ser o único descontente entre 20 jogadores, garantindo que há outros companheiros decepcionados com as declarações contraditórias do treinador.As reclamações de Argel, na verdade, não se basearam somente na possibilidade de ficar na reserva contra o Rio Branco. Ele não gostou do comportamento de Marco Aurélio na partida contra o Botafogo, quinta-feira, pelo Rio-São Paulo. Na ocasião, o treinador afirmou que foi ele que decidiu não escalar Argel para o jogo.O zagueiro estava suspenso na partida seguinte, contra o Corinthians, pelo Campeonato Paulista, e, deixando Argel de fora, o técnico repetiu a atitude tomada em relação ao Galeano e Magrão que, uma semana antes, não jogaram pelo Rio-São Paulo por estarem suspensos no Paulista. "Mas fui eu que fui conversar com o Marco Aurélio e dizer que poderia ficar no banco, caso ele quisesse preparar o time para o jogo contra o Corinthians. Não foi iniciativa dele", esbravejou. "Não poderia ficar de fora a partir de agora, pois não saí por deficiência técnica", completou.Outros jogadores também confirmaram que o ambiente no grupo está carregado. O zagueiro Paulo Turra foi um deles, mesmo após treinar como titular. Quando foi colocado no banco, contra o Corinthians, o jogador questionou os critérios do técnico. "Sempre que as derrotas predominam, surgem problemas de relacionamento. Existem mais discussões entre os jogadores e, nos treinos, muitos ficam excessivamente bravos com jogadas mais bruscas. É o momento", destacou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.