Douglas Magno/AFP
Douglas Magno/AFP

Argentina busca iniciar reação nas Eliminatórias diante do Brasil

Seleção pretende conquistar quatro pontos nas duas próximas rodadas

Marcio Dolzan, enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

10 de novembro de 2016 | 07h00

Passando por um mau momento nas Eliminatórias e fora da zona de classificação à Copa do Mundo da Rússia, a Argentina quer fazer do jogo desta noite seu "ponto de decolagem" para subir na tabela de classificação. Atualmente na sexta colocação, os argentinos projetam conquistar pelo menos 4 pontos nestes dois últimos jogos da temporada – além do Brasil, a Argentina enfrenta a Colômbia, em casa, na próxima terça-feira.

A projeção de pontos é exatamente a mesma conquistada pelos argentinos contra esses adversários no primeiro turno das Eliminatórias. Então treinada por Tata Martino, a Argentina, arrancou mal na competição, conquistando apenas um ponto nas duas primeiras rodadas. Aí, empatou com o Brasil no Monumental de Nuñez e venceu a Colômbia fora de casa.

"Nós não estamos no nosso melhor, mas sabemos o que representa este clássico", diz o titular do gol argentino, Sergio Romero. "Queremos que este seja nosso ponto de decolagem, como foi contra a Colômbia na época do Tata Martino. Fomos lá jogar com a corda no pescoço e voltamos com um grande resultado", recorda Romero. Na ocasião, a Argentina venceu por 1 a 0.

A intenção de fazer pelo menos 4 pontos não passa necessariamente por buscar um empate no Mineirão. Ao contrário, a Argentina promete ser ofensiva e quer vencer a partida desta noite. "Temos jogadores com capacidade para fazer algo diferente a qualquer momento, por isso temos que ficar o máximo no campo de ataque", avalia Romero.

O são-paulino Buffarini, também convocado,também fala em buscar a vitória. "Temos ótimos jogadores, assim como eles. Vai ser um lindo espetáculo e vamos fazer o melhor possível para buscar os três pontos."

A principal esperança, claro, é Lionel Messi. O jogador foi um dos últimos a se juntar ao elenco em Belo Horizonte, mas já no primeiro treinamento tomou seu lugar de capitão e pediu a palavra. Na terça-feira, antes de o técnico Edgardo Bauza comandar o treino no CT do Galo, Messi e o treinador conversaram por cerca de 20 minutos com os jogadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.