Argentina chega mais tranqüila que em 2002, diz Crespo

O atacante argentino Hernán Crespo disse nesta quinta-feira que a equipe chega ao Mundial da Alemanha bem mais tranqüila do que estava no Japão há quatro anos, por causa da situação mais estável que o país atravessa."Em 2002 estávamos no meio de um furacão e carregávamos um peso extra por algo de que não éramos culpados", afirmou o atacante, em referência à crise política iniciada no fim de 2001, que derrubou vários presidentes e destroçou a economia argentina.A seleção, treinada por Marcelo Bielsa e na qual Crespo era reserva de Batistuta, chegou ao Japão como favorita no chamado "Grupo da Morte" de então e venceu a Nigéria na estréia, mas caiu diante de Inglaterra e Suécia e ficou na primeira fase. "O país sempre joga junto com a Argentina, mas naquele momento parecíamos a única salvação", enfatizou.A Argentina realizou nesta quinta-feira seu primeiro treino na cidade alemã de Herzogenaurach, dois dias depois do último amistoso de preparação, a vitória por 2 a 0 sobre Angola, em Salerno, na Itália. A estréia na Copa será no dia 10, em Hamburgo, contra a Costa do Marfim. "Estamos ansiosos, unidos e com muita vontade de jogar a primeira partida", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.