Juan Mabromata/AFP
Juan Mabromata/AFP

Argentina e Brasil fazem duelo tenso e ficam no empate sem gols pelas Eliminatórias

Sem Neymar, time do técnico Tite segura Messi e Cia. em jogo com muito contato e lances duros e violentos; com a combinação de resultados, seleção argentina se classificou para a Copa do Catar

Almir Leite, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2021 | 22h38

A seleção brasileira manteve a invencibilidade nas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo do Catar ao empatar por 0 a 0 com a Argentina nesta terça-feira, em San Juan. Mais do que isso, passou no teste mais difícil até agora. Contra um adversário bom tecnicamente, mas  violento, o Brasil, sem Neymar com vários jogadores jovens, jogou com personalidade, não se amedrontou. Fabinho, por exemplo, anulou Messi.

O Brasil já está classificado para a Copa do Catar. Tem 35 pontos em 13 partidas. A Argentina, com 29, está quase lá. Mas com a combinação de resultados na rodada, o time argentino se garantiu no Mundial de 2022.

Sem Neymar,  desfalque por causa de dores na coxa esquerda, Tite escalou  Vinícius Junior  aberto pela esquerda, com Raphinha pela direita. Paquetá ficou na  articulação.

Insuflado pela torcida, a Argentina buscou tomar o controle do jogo, mas o Brasil, bem posicionado, conseguiu segurar a pressão inicial. O time da casa procurava construir jogadas pelo lado direito, mas não conseguia penetrar e os cruzamentos paravam nas mãos de Alisson.

A seleção, por seu turno, jogava apenas pelo lado esquerdo, explorando as bolas longas para Vinícius Junior e armada o contra-ataque. Conseguiu um, o primeiro, aos 12 minutos, mas Fred, que puxou bem a jogada, demorou para tocar para o atacante do Real Madrid, que depois se atrapalhou com a bola. O Brasil equilibrou a partida e teve boas chances. Vini Junior perdeu a melhor delas, ao chutar torto na frente do goleiro;  pouco depois, Matheus Cunha quase fez um golaço, ao tentar encobrir Martínez chutando de antes do meio de campo. Errou por pouco.

AGRESSÃO

O defeito da seleção era não explorar Raphinha pelo lado direito, o que passou a fazer a partir dos 25 minutos. O jogador do Leeds, sumido até então, começou a aparecer. E esteve no lance que mostrou a covardia do violento zagueiro Otamendi, que numa disputa de bola  deu uma cotovelada no brasileiro,  que sangrou bastante - no intervalo,  precisou levar cinco pontos no queixo.

Mais covardes que Otamendi só o juiz uruguaio Andrés Cunha, que nada assinalou, e seu compatriota Esteban Ostojich, árbitro de vídeo, que  sequer  o chamou para ver o lance que deveria ser punido com cartão vermelho para o zagueiro. A pressão dos jogadores e da torcida argentina falou mais alto.

Messi procurava puxar as jogadas da Argentina. Mas os lances pelo meio, dele e de seus companheiros, não prosperavam, pois Fabinho e Fred estava muito bem na marcação e a zaga bastante segura. Ainda assim teve boa chance com Lautaro Martínez e De Paul.

O Brasil continuou bem  na etapa final. Fred acertou o travessão com belo chute da entrada da área aos 14 minutos. Mas  o lance mais belo foi a carretilha que Vini Junior deu em Molina em jogada na linha de fundo. Na sequência, Paquetá pegou mal na bola. O jogo continuou bastante disputado até o final, Messi teve boa chance aos 44 - Alisson pegou - mas  o empate acabou ficando de bom tamanho para as duas equipes.

Paquetá e Fabinho levaram o segundo cartão amarelo e não jogam contra o Equador, dia 27 de janeiro de 2022, em Quito.

FICHA TÉCNICA:

ARGENTINA 0 X 0 BRASIL

ARGENTINA:  Martínez; Molina, Romero (Pezzella), Otamendi e Acuña; Paredes (Lizandro Martínez), De Paul e Lo Celso (Domínguez); lautaro Martínez (Correa), Messi e Di María (Álvarez). Técnico: Lionel Scaloni.

BRASIL: Alisson; Danilo, Marquinhos, Eder Militão e Alex Sandro; Fabinho, Fred e Lucas Paquetá (Gerson); Raphinha (Antony), Matheus Cunha (Gabriel Jesus) e Vinícius Junior. Técnico: Tite.

JUIZ: Andrés Cunha (URU).

CARTÕES AMARELOS: Lucas Paquetá, Paredes, Romero, Pezzella e Fabinho

LOCAL: Estádio Bicentenário, em San Juan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.