Argentina entra em campo sob pressão

Enquanto os brasileiros vivem clima de tranqüilidade, a seleção argentina sofre a pressão pela vitória no confronto desta quarta-feira, no estádio Monumental de Nuñez, em Buenos Aires.A Argentina vem de derrota nas Eliminatórias - 2 a 0 para o Equador -, corre o risco de perder a liderança para o rival Brasil e ainda joga dentro de casa, com o apoio de sua torcida, que promete lotar o estádio. Além disso, no primeiro turno da competição, perdeu para os brasileiros em Belo Horizonte: é hora da revanche.Por conta da importância desse jogo, o técnico Jose Pekerman esconde a formação titular. Mas o time deve ser completamente diferente daquele que perdeu para o Equador - ele, inclusive, poupou alguns jogadores da altitude de Quito para enfrentar o Brasil.O mais provável é que Pekerman escale a seguinte equipe: Abondanzieri; Coloccini, Ayala e Heinze; Zanetti, Mascherano, Luis González, Riquelme e Sorín; Saviola e Crespo. No entanto, o técnico pode reservar alguma surpresa para Parreira e a seleção brasileira.O atacante Carlitos Tevez, que joga atualmente no Corinthians, deve ficar no banco de reservas.Luis González dá uma mostra da importância dessa partida para os argentinos: "Este jogo? Ora, vamos jogá-lo como se fosse a última bola do mundo..."Para o atacante Saviola, quem ganhar o grande clássico sul-americano sairá fortalecido. "Vencer implicará em um aumento da confiança para qualquer dos dois times", avisou o argentino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.