Argentina na expectativa pela entrada do "banco de ouro"

Saviola fez um gol na estréia. Crespo, o outro. Jogaram bem, como Riquelme, que nem precisaria. É intocável. Mesmo assim, com vitória e boa apresentação dos atacantes, a grande dúvida entre os argentinos é quando Lionel Messi, do Barcelona, e Carlos Tevez, do Corinthians, vão entrar no time. A ansiedade por Pablo Aimar, do Valência, é menor.Os três formam uma espécie de ?banco de ouro?, não apenas pelos muito milhões que valem, mas também pelo futebol que jogam. Um banco desprezado por Jose Pekerman no primeiro jogo, quando apostou em Palacio, Lucho Gonzalez e colocou Aimar por pouco mais de um minuto no final.É muito difícil que a entrada de algum desses jogadores seja no início da partida contra Sérvia e Montenegro, sexta-feira, em Gelsenkirchen. Mas há uma expectativa de que jogarão. Precisarão jogar.A Sérvia tem como característica principal uma defesa forte, que sofreu apenas um gol em dez partidas das Eliminatórias européia. São jogadores pesados, com muita força e que devem ser enfrentados com jogadas pelos lados do campo. E quem se lembrou de Carlos Tevez pode ter certeza que Jose Pekerman também o chamou por isso. ?Todos podem jogar e estou esperando minha chance?, diz, constantemente Tevez. Ele se dedica com muito empenho nos treinamentos e na segunda-feira, quando os reservas se enfrentavam em dois times de oito, ele foi o destaque. Parecia estar muito à vontade. Como no Corinthians.Correu muito, disputou jogadas com força e depois foi treinar cobrança de pênaltis. Tevez nunca teve muito destaque nos times dirigidos por Pekerman. Em 2003, foi pouco utilizado no Mundial sub-20 dos Emirados Árabes, ao contrário de Mascherano, titular indiscutível. Como agora. Mesmo assim, mostra-se tranqüilo. Segunda, após o treino, passeou com a filha Florencia pelo gramado.Aimar deve estar se perguntando o que fez de errado. Em 1997, foi campeão do mundo, formando a dupla de armadores com Riquelme. O técnico era Pekerman, que agora prefere Maxi Rodrigues, jogador muito menos brilhante. É o ?facilitador? de Pekerman, ajudando ora a defesa, ora o ataque. É titular, mas se fosse reserva não faria parte do que se chama ?banco de ouro?.Isso é para Aimar, Tevez e Messi. Até quando, não se sabe. Pelo menos até o início do jogo contra Sérvia e Montenegro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.