Argentina tenta esquecer jejum contra a Costa do Marfim

Vinte anos é muito tempo. Para tudo na vida. E muito mais quando se fala da paixão argentina pelo futebol. E do orgulho pela excelência conquistada através dos tempos. Por isso, iniciar uma Copa do Mundo estando há vinte anos sem ganhar um título pode ser uma pressão muito grande. E isto é tudo que o treinador José Pekerman não quer neste sábado, em Hamburgo, a partir das 16 horas (em Brasília), quando a Argentina inicia sua 14ª participação em Copas do Mundo, contra Costa do Marfim.Para evitar pressões e deslumbramentos como em 2002, quando de favorito o time transformou-se em vexame após três jogos, Pekerman montou um time bem a seu estilo. Compacto, bem ordenado, com variantes táticas, mas principalmente sem estrelismo. A troca do falante Verón pelo quietíssimo Riquelme - ambos bons de bola - é a prova disso.O respeito é total pela Costa do Marfim. Como se fosse a Holanda. Pekerman vai manter dois volantes, Mascherano e Cambiasso, mudança que trouxe ao time - com o antecessor, Marcelo Bielsa, a Argentina sempre teve um volante central e dois outros que faziam o trabalho simultâneo de defesa e ataque.O posicionamento de Sorín foi outro passo de Pekerman para ter um time com consistência defensiva. Aquele lateral-meia voluntarioso, ofensivo de forma quase anárquica, não existe mais. ?Pekerman me pediu e vou jogar de três (lateral). Para a seleção, eu faço tudo?, diz o capitão.O bloco defensivo está formado então, três zagueiros, um lateral, dois volantes e Maxi Rodrigues, jogador muito elogiado por seu poder ofensivo mas também por saber voltar e recompor a defesa. Um jogador tático, como diz Pekerman. No ataque, ele ajudará Riquelme, o grande astro, a municiar um ataque formado por Saviola e Crespo. ?No início do ano, estava sem clube e Pekerman me telefonou. Disse que, sem clube, eu não seria convocado. Então, acertei com o Sevilla e fui bem?, diz Saviola, campeão da Copa da Uefa, mostrando um pouco mais do estilo do treinador.Há muitas opções para se mudar a Argentina que começa o jogo. No banco há três jogadores que participarão efetivamente do Mundial: Tevez, Aimar e Messi. Em uma situação crítica, com a Argentina precisando se arriscar para virar o jogo, entram os três: Aimar no lugar de Maxi Rodrigues; Tevez por Cambiasso e Messi por Burdisso. O time passaria a jogar no 3-1-3-3 como em alguns treinamentos e na cabeça dos fanáticos por futebol-arte.Mas Pekerman não quer passar por situações críticas. Seguro, pretende levar seu time até o mais longe possível, sem sobressaltos. E neste sábado será apenas o primeiro passo para que se conquiste um sonho de vinte anos: conquistar o tricampeonato mundial.Argentina x Costa do MarfimArgentina - Abbondanzieri; Burdisso, Ayala, Heinze e Sorín; Mascherano, Cambiasso, Rodríguez e Riquelme; Saviola e Crespo. Técnico: José Pekerman.Costa do Marfim - Tizié; Eboué, Meité, Kolo Touré e Boka; Zokora, Yaya Touré, Keita e Kalou; Akalé e Drogba. Técnico: Henri Michel.Árbitro: Frank de Bleeckere (BEL).Local: AOL Arena, em Hamburgo.Horário: 16 horas (de Brasília).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.