Argentina vive escândalo por fraude em cidadania de jogadores

Quarenta pessoas foram presas na ação que tenta impedir naturalização sem documentação correta

REUTERS

12 de julho de 2008 | 16h50

A Justiça argentina prendeu 40pessoas e apreendeu armas de fogo e documentos falsos ligados afraudes para obtenção de cidadania européia para jogadores defutebol do país, afirmaram neste sábado autoridades policiais. A polícia argentina informou, em um comunicado, que em umaoperação realizada na sexta-feira, que incluiu 110 mandados debusca e apreensão, desbaratou "uma rede da máfia do futebol." A Argentina é um grande exportador de jogadores de futebolpara o Velho Continente, e os estreitos laços de sangue queunem sua população com países como Itália e Espanha facilitam atramitação de uma cidadania européia.O país sul-americano, onde é comum encontrar pessoas que contamcom dupla cidadania, recebeu durante o século passado uma forteonda de imigração da Europa. De acordo com o cônsul italiano na Argentina, GiancarloCurcio, o problema não é novo. "Faz um ano e meio que assumi o consulado italiano eencontramos cidadanias que apresentavam assinaturasadulteradas", afirmou o diplomata a uma emissora de rádiolocal. "Apresentamos a denúncia às autoridades italianas eargentinas, e a Justiça vai determinar se houve dolo oudelito", explicou Curcio. A maioria dos casos investigados envolvem jogadores defutebol, mas também existem outros casos sem relação aoesporte. Em muitos bairros dos subúrbios de Buenos Aires podem serencontrados cartazes afixados nas árvores oferecendo a"cidadania italiana" ou a "cidadania espanhola", um trâmite queapenas pode ser feito em um consulado, segundo afirmou odiplomata europeu. "Há pessoas que fazem promessas que depois são perigosas ehá pessoas que caem com boa-fé, porque têm direito à cidadaniamas fazem um trâmite que não corresponde", acrescentou odiplomata italiano. Recentemente, o ex-goleiro do River Plate Juan PabloCarrizo protagoniou um episódio vinculado às cidadaniaseuropéias para esportistas. A jovem promessa argentina foi contratada pelo clube Lazio,da Itália, mas teve que retornar à Argentina devido à demora naobtenção de seu passaporte. "Ele apresentou documentação que não foi aceita na Itália eagora está jogando como argentino", detalhou Curcio Segundo o jornal Clarín, fontes da investigação revelaramas suspeitas de que a quadrilha teria apoio fundamental de umempregado do consulado italiano e também de outra pessoa demunicípio italiano.

Tudo o que sabemos sobre:
FUTEBOLARGENTINAFRAUDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.