Argentino Saviola interessa ao Santos

O argentino Saviola, 24 anos, é o mais novo nome que circula na Vila Belmiro, mas seus altos salários podem frustrar os planos dos santistas que procuram um substituto para Robinho. As negociações estão sendo mantidas com a diretoria do Barcelona, onde o jogador está encostado. Enquanto isso não ocorre, o clube pode apresentar amanhã o zagueiro Luiz Alberto e o volante Gavião, que já treinam no CT Rei Pelé enquanto aguardam a regularização de seus documentos. O Santos reservou parte do dinheiro conseguido com a venda de Robinho para o Real Madrid para a contratação de peso, pois perdeu também o centroavante Deivid no mês passado. Gallo tem comentado que nos próximos quinze dias o clube irá apresentar um atacante consagrado, mas mantém o nome em sigilo. Saviola interessa aos santistas, mas a preocupação é com o salário que o atacante recebe no Barcelona, cerca de US$ 200 mil por mês. São valores muito altos para um time brasileiro e superam até mesmo os que Robinho - o maior salário do Santos - recebia. GOLEIRO - O Santos continua tentando contratar um goleiro, já que a experiência com Henao e Mauro não deram certo. Saulo, de apenas 19 anos, foi chamado para o desafio e tem tido boas atuações. Mesmo assim, os santistas querem Roger e esperam o fim do contrato do jogador com o São Paulo para levá-lo à Vila Belmiro. Saulo não se preocupa com esses comentários e sabe que precisa se aperfeiçoar mais. "Tenho de trabalhar sempre pensando em evoluir, não tem só um aspecto que eu precise melhorar e não posso estacionar só porque conquistar a vaga de titular". Está satisfeito com a condição de goleiro principal e acha que outros companheiros que buscam uma oportunidade poderão conseguir sucesso. "Para isso, é preciso trabalhar, nada mais além do que isso". E lembra que essa deve ser uma preocupação constante do atleta. "Não importa se você é o titular ou o quarto reserva, tem de estar sempre preparado porque a oportunidade não avisa e só aparece para quem está trabalhando e preparado para assumir essa responsabilidade". Mas comentou um defeito que vem procurando corrigir: a saída em bolas altas. "Não é uma deficiência, mas uma situação de jogo", disse ele, que foi criticado por uma saída afobada na quarta-feira, contra o Internacional. "Foi uma leitura errada que fiz na hora da batida e tenho sempre trabalhado para evoluir e ficar mais atento a essa leitura". Sua maior preocupação no jogo de quinta contra o Brasiliense é Marcelinho Carioca, um grande batedor de faltas. "Ele é um ícone do futebol brasileiro, um dos melhores batedores de falta, mas sabia que isso ia acontecer desde quando me tornei jogador".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.