Argentinos dizem que haverá racismo

A seleção brasileira pode se preparar para ver faixas e bandeiras ofensivas nas arquibancadas, dirigidas, sobretudo, aos jogadores da raça negra. Parte dos torcedores vai insultar e praticar atos de racismo, apostam os próprios argentinos. Não que seja algo tão anormal nos campos de futebol, mas o desejo de manifestações contra os atletas do Brasil ganhou força depois da prisão de Leandro Desábato, do Quilmes, em São Paulo, há pouco menos de dois meses, acusado de racismo pelo são-paulino Grafite. Os argentinos que conversaram com a Agência Estado, nestes últimos dias, disseram estar certos de que haverá provocações de sobra, hostilidades. Lembram, contudo, que, para a sorte do Brasil, Grafite não acompanha a delegação em Buenos Aires. "Seguramente alguns torcedores vão chamar os brasileiros de maricões, de macacos, vão levar bandeiras, mas, como o Grafite não veio, acho que as provocações não serão tão grandes", comentou Dario Rodriguez, funcionário de um serviço de transporte do Aeroporto de Ezeiza. Brasileiros que vivem em Buenos Aires pensam do mesmo modo. Sentiram nestes dois meses que a detenção de Desábato incomodou demais a população, mesmo aqueles que não ligam para futebol e não sentem o clima de rivalidade entre Brasil e Argentina. "Eles acharam essa história um grande exagero", contou Diogo Machado, advogado de Brasília. Os atletas não demonstram nenhuma preocupação com a possibilidade de sofrerem agressões racistas. "Até agora nem se falou nisso", limitou-se a dizer Ronaldinho Gaúcho, procurando evitar o tema. "Sempre tem alguma coisa, não há como controlar a torcida", acrescentou o capitão Cafu. A seleção de Carlos Alberto Parreira contará com o apoio de dois mil torcedores, que receberão proteção especial de policiais na chegada e na saída do Monumental de Nuñez. O estádio do River Plate, por sinal, causou péssima impressão aos jornalistas brasileiros que o conheciam, mas não o visitavam há bom tempo. Há cadeiras quebradas, paredes rachadas, corredores sujos e banheiros mal conservados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.