Argentinos se preparam para desafiar toda a Alemanha

?Nós vamos entrar em campo para enfrentar todo um país e não apenas um time de futebol, mas estamos preparados para isso.? A frase de Saviola demonstra a maneira como os argentinos encaram a partida desta sexta-feira contra os alemães, pelas quartas-de-final da Copa do Mundo.A Argentina sabe que será visitante, e que os gritos de sua fanática torcida serão sufocados por outros falando da força alemã, mas não parecem preocupados com isso -alguns, como Tevez e Messi, chegam a dizer que preferem essa pressão, que se sentem bem assim e que isso facilita o jogo para os argentinos.O técnico José Pekerman, no entanto, tem certeza de que sua equipe pode vencer.?Para mim, há dois favoritos nesse jogo. Ninguém leva vantagem. São dois campeões do mundo?, diz, recusando-se a falar em ?final antecipada?, como lhe perguntaram alguns repórteres. ?A Copa só tem um favorito, que é o Brasil. Eu já dizia isso antes de chegar aqui e nada aconteceu para que mudasse de idéia. E há também a França e a Itália com boas possibilidades. É duro, mas alguns campeões ficarão pelo caminho.?Para que não seja a sua Argentina, Pekerman aposta muito na mística da camisa. Na capacidade - da qual todo argentino se vangloria - de superar as dificuldades, mostrando raça em campo. E bom futebol também. ?Vejo alguns sinais das seleções campeãs do mundo de 1978 e de 1986 nesses jogadores que estão aqui agora. É uma honra representar um futebol tão vencedor como esse?, disse nesta quinta-feira, dia em se completam 20 anos do título de 1986, conquistado com um 3 a 2 sobre a mesma Alemanha de hoje.Riquelme em altaPekerman surpreendeu ao analisar o futebol mostrado até agora por Riquelme, que vem sendo criticado por não chamar o jogo e, assim como outros camisas 10 na Copa, não mostrar tudo o que dele se esperava. ?Ele está fazendo um excelente Mundial. Está em um nível bem alto. O que é preciso saber é que é difícil entender o futebol de Riquelme. Sempre foi?, disse.O técnico, que aposta todas as suas fichas no meia do Villarreal, negou que tenha tido uma conversa particular com o jogador para cobrar dele mais empenho. ?Desminto essa conversa. Nunca houve?, disse enfaticamente, longe de seu estilo sempre calmo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.