Arinélson é preso e morde policiais

O meia Arinélson, ex-Matonense e Santos, foi preso na madrugada de hoje, e autuado pelos crimes de lesão corporal, desacato a autoridade, além de resistência a prisão, após causar um tumulto em um motel, em Sepetiba, na zona oeste. Com o pagamento de uma fiança de R$ 150, o jogador foi libertado da 36ª Delegacia de Polícia de Santa Cruz (zona oeste). Segundo a escrivã da 36ª DP, Izete Gonzaga, Arinélson discutiu com funcionários do Motel Sepetiba, que chamaram a polícia. Durante sua prisão, o jogador chegou a morder a mão de dois policiais do 27º Batalhão de Polícia Militar de Santa Cruz. "Ele estava muito transtornado e incontrolável. Gritava e falava muitos palavrões", disse a escrivã. Há uma versão de que Arinélson chegou a ofender o delegado de plantão, chamando-o de "negro", mas esta informação não foi confimada pela escrivã. Arinélson foi revelado no futebol paranaense e, depois de ter sido indicado pelo técnico do Corinthians, Wanderley Luxemburgo, teve seu passe comprado pelo Santos. Após contundir-se no joelho direito e ficar três meses sem atuar, Arinélson teve seu passe emprestado ao Guarani. Em seguida, atuou no futebol carioca pelo Fluminense e América. De volta a São Paulo, Arinélson teve o passe emprestado para a Matonense, de onde foi dispensado, por indisciplina, no mês de março.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.