Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Arma do Palmeiras estará no banco

A principal esperança da torcida palmeirense estará no banco de reservas do Palestra Itália, nesta quinta-feira, às 19 horas, contra o Deportivo Táchira, da Venezuela, pela Libertadores. Autor de dois gols contra o Santos, Pedrinho ainda não tem condições de atuar os 90 minutos de uma partida.Por isso, Candinho prefere mantê-lo como opção para o segundo tempo. Diego Souza será o armador titular. "Pelo histórico de contusões, a gente tem de ir devagar com o Pedrinho. Senão, ele pode sofrer nova lesão muscular", justificou o treinador do Palmeiras.O técnico sabe bem do que está falando. Conhece Pedrinho desde os tempos em que era auxiliar-técnico da seleção brasileira e o meia ainda jogava no Vasco. E está ciente de que ele requer cuidados específicos. Nesta quarta-feira, por exemplo, Pedrinho foi poupado do treino. Ficou na sala de exercícios, fazendo reforço muscular. "Ele vai entrando aos poucos no time", afirmou Candinho.O fato é que as lesões têm sido um pesadelo interminável na carreira de Pedrinho. Basta ver a trajetória dele no Palmeiras. Desde sua estréia, em 12 de agosto de 2001, o time fez 220 jogos. Desses, Pedrinho atuou em menos da metade: 101. E só em 52 (23% do total) ele pôde jogar os 90 minutos.Em 119 partidas Pedrinho desfalcou o Palmeiras. Ele ficou fora em momentos decisivos, como em boa parte da campanha do rebaixamento no Brasileirão em 2002 e do título da Série B no ano seguinte.Para driblar o fantasma das lesões, Pedrinho trabalha. E trabalha duro. Ele é, quase sempre, o primeiro jogador a chegar e o último a sair do Centro de Treinamentos. Todo dia, faz pelo menos uma hora a mais de reforço muscular com o fisioterapeuta José Rosan Júnior. No campo, dá duro sob o comando do preparador físico Anselmo Sbraglia. Tudo para tentar entrar em forma e fazer o que gosta.Pedrinho só não quer saber de queimar etapas em sua recuperação. "Sei que ainda não estou 100% e por isso não estou ansioso para voltar a ser titular. Mas se precisarem estou à disposição para entrar e ajudar a equipe", avisou.Além das lesões, Pedrinho viveu grandes emoções recentemente. Na segunda-feira retrasada, nasceu seu primeiro filho, Enzo. No sábado, seu pai saiu da UTI de um hospital do Rio, onde estava internado já há algumas semanas.O jogador evitou falar sobre o assunto, mas se disse emocionado com o nascimento de Enzo. "É muito mais fácil controlar uma bola do que trocar uma fralda", brincou Pedrinho.Diego Souza, o titular, sabe que terá de correr dobrado nesta quinta-feira. Apesar de ter atuado bem nos últimos jogos, ele ainda não conta com o apoio de boa parte da torcida. Se o Palmeiras não conseguir furar a retranca do Táchira logo no início, podem sobrar vaias para ele e os demais jogadores. "Esperamos que não seja assim e que o torcedor nos apóie do começo ao fim. Em Libertadores, aliás, esse apoio é mais constante. Esperamos casa cheia", disse Diego Souza, que emenda: "E sobre o Pedrinho, não o considero como uma sombra para mim."Na quarta-feira, Candinho teve uma conversa com o elenco e deixou claro: "Os times da Venezuela evoluíram, mas temos de fazer a lição de casa. Só a vitória nos interessa."Se o Palmeiras vencer, assumirá a liderança do grupo 4 da Libertadores. Em sua história, o clube paulista nunca perdeu para um time venezuelano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.