Arrigo Sacchi diz que problema do Milan é 'psicológico'

Ex-técnico do time milanês também aponta a média de idade da equipe como sendo fator negativo

EFE

04 de outubro de 2007 | 14h25

O italiano Arrigo Sacchi, ex-técnico do Milan e da seleção italiana, disse, nesta quinta-feira, que a atual crise que assola o rubro-negro de Milão é mais psicológica que técnica.   "Os motivos podem ser muitos. Falta de renovação, defasagem na parte física ou estar pensando em outros objetivos. Alguns jogadores não vivem seus melhores momentos", afirmou Sacchi.   O ex-técnico, que comandou o Milan numa das melhores fases da história do clube - com direito a duas edições da Liga dos Campeões -, lembrou que já tinha feito um alerta sobre a situação na última temporada:"A conquista da Liga dos Campeões foi um grande prêmio um clube que soube tirar ouro de uma situação em que parecia mais destinado a quebrar."   Sacchi também apontou a média de idade com um dos fatores que estejam influenciando a temporada atual. "O Milan está gastando muito e tem um elenco bastante diversificado, mas, com muitos jogadores em idade avançada, é evidente que possam ter uma freqüência de lesões superior à média. O objetivo deveria ser reduzir o elenco e rejuvenescer."   Apesar disso, Sacchi não hesitou em dizer que não considera que o Milan "esteja absolutamente morto": "Mas é evidente que o clube deverá avaliar se este planejamento é o mais justo para uma equipe como esta", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Campeonato Italiano

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.