Artilheiro da Europa, brasileiro Liliu é um andarilho da bola com faro de gol

Artilheiro da Europa, brasileiro Liliu é um andarilho da bola com faro de gol

Após passagens por Bélgica, Kuwait, Chipre, Israel e Malta, atacante se encontra na Estônia e lidera o prêmio Chuteira de Ouro

Renan Fernandes, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2018 | 05h00

Esqueça Neymar, Roberto Firmino ou Gabriel Jesus. Hoje a corrida pelo tradicional prêmio da Chuteira de Ouro, dado para o principal artilheiro das ligas nacionais europeias, é liderada por outro brasileiro: Liliu. Depois de deixar o Brasil muito cedo e fazer carreira em mercados 'alternativos', o atacante vive sua melhor fase no Nomme Kalju, da Estônia, onde já marcou 30 vezes em 27 partidas.

Apesar de empolgado com os números, Ellington Antonio Costa Morais, o Liliu, sabe que é muito difícil manter o posto pela forma como a pontuação para o prêmio é feita. Gols marcados por jogadores entre as cinco ligas mais bem ranqueadas na Uefa tem peso dois na disputa. Campeonatos entre 6º e 21º lugar valem 1,5; já 'ligas menores' tem valor unitário, caso da Estônia.

"Momentaneamente é muito legal o que vem acontecendo. Mas eu sei que a pontuação é diferente dos outros campeonatos na Europa. Também é difícil manter porque já estamos no fim da temporada dos países nórdicos (calendário igual ao do Brasil) enquanto os outros campeonatos vão até maio", explica o jogador em entrevista ao Estado.

"O importante é que estou podendo ajudar meu time. Nossa primeira meta é ser campeão e se eu continuar fazendo gol assim, melhor ainda". E este objetivo está muito próximo. Líder do campeonato estoniano, com 79 pontos ganhos, o Mittetulundusühing Nõmme Kalju Football Club, nome completo da equipe, tem quatro pontos de vantagem para o segundo colocado, o FCI Levadia.

O Brasil não ganha o prêmio desde 2001/02, quando Jardel, defendendo o Sporting, fez 42 gols. O ex-jogador de Grêmio e Palmeiras também foi o maior goleador da temporada 98/99, pelo Porto, com 36 gols. Ronaldo também conseguiu o feito em 1996/1997, quando jogava pelo Barcelona, ao balançar as redes em 34 oportunidades.

VIAJANTE DA BOLA

O sucesso na primeira temporada na Estônia faz Liliu pensar no próximo passo na carreira. Talvez ir para uma liga mais forte e continuar sua aventura no mundo do futebol, que já teve paradas por Bélgica, Kuwait, Chipre, Israel e Malta. "Claro que todos sonham em jogar nos grandes centros como Inglaterra, Espanha, Itália e também seria meu top 3. Mas um lugar que me agrada, pelo modo de jogo, é a Holanda. O futebol lá me agrada muito, até mesmo para assistir."

Nascido em Bauru, o atacante de 28 anos teve sua formação no futebol no interior de São Paulo antes de tentar a sorte no exterior. Este sentimento ele não esquece mesmo após 9 anos atuando na fora do País. "Eu morava em Porto Feliz (interior de São Paulo), no centro de treinamento do antigo Desportivo Brasil. Era dezembro... verão, calor, acostumado com outra realidade e dois dias depois eu estava na Bélgica. Menos 10 graus e sem falar outro idioma. No começo foi muito difícil, mas com o tempo fui me adaptando."

O começo foi facilitado graças aos amigos que fez. "Tive a sorte de ter um colombiano e um peruano no time. Isso me ajudou muito para me comunicar. Outra coisa é que as pessoas são muito educadas. Mesmo sem nunca ter te visto na vida elas te cumprimentam, perguntam: "Como você está?."

Outro lugar que marcou Liliu foi o Kuwait. Na parte esportiva, o atraso na documentação Al-Naser para o CRB fez o jogador perder a inscrição na Copa do Nordeste, fato que encurtou sua única passagem no futebol profissional no Brasil para menos de dois meses. Do lado pessoal, a vida simples de outros imigrantes chamou a atenção. "Fico muito feliz de ter conhecido pessoas como os indianos que trabalhavam no clube porque aprendi a dar mais valor para as pequenas coisas. A forma como eles encaram as dificuldades de qualidade de vida pelas questões financeiras me fez ver como somos sortudos de ter tudo que temos."

Um fator que também facilita a adaptação ao artilheiro brasileiro aos diversos lugares onde jogou é a culinária. Ao contrário de alguns atletas que dizem não se acostumar com a comida local, Liliu garante ser 'bom de garfo'. "Não tenho muita frescura em relação a comida e hoje em dia todos os lugares oferecem de tudo. Tem restaurante italiano em qualquer lugar. Aqui, por exemplo, tem um restaurante argentino. Acho que tudo que queremos comer encontramos em qualquer lugar".

GANHADORES DA CHUTEIRA DE OURO NOS ÚLTIMOS 10 ANOS

2008-09 - Diego Forlán (Atlético Madrid-ESP) - 32 gols / 64 pontos

2009-10 - Lionel Messi (Barcelona-ESP) - 34 gols / 68 pontos

2010-11 - Cristiano Ronaldo  (Real Madrid-ESP) - 40 gols / 80 pontos

2011-12 - Lionel Messi (Barcelona-ESP) - 50 gols / 100 pontos

2012-13 - Lionel Messi (Barcelona-ESP) - 46 gols / 92 pontos

2013-14 - Cristiano Ronaldo  (Real Madrid-ESP) e Luis Suárez (Liverpool) - 31 gols / 62 pontos        

2014-15 - Cristiano Ronaldo  (Real Madrid-ESP) - 48 gols / 96 pontos

2015-16 - Luis Suárez (Barcelona-ESP) - 40 gols / 80 pontos

2016-17 - Lionel Messi (Barcelona-ESP) - 37 gols / 74 pontos

2017-18 - Lionel Messi (Barcelona-ESP) - 34 gols / 68 pontos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.