Reprodução
Reprodução

Artilheiro da Ponte Preta, William Pottker fala em jogar pela honra em Itaquera

Depois de levar 3 a 0 no estádio Moisés Lucarelli, atacante fala em manter a união do grupo

Estadão Conteúdo

30 de abril de 2017 | 19h38

O que resta à Ponte Preta depois de perder para o Corinthians por 3 a 0, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), pelo primeiro jogo final do Campeonato Paulista? Nem o mais otimista torcedor espera a reversão deste quadro no segundo jogo, no estádio Itaquerão, em São Paulo, no próximo domingo. E como disse o artilheiro William Pottker, agora "é jogar pela honra".

Para o atacante que tem nove gols e deve ser confirmado como artilheiro do Paulistão, "nós temos que terminar como homens, lutando muito e tentando dar o melhor. Nós chegamos até esta final todos juntos e vamos nos manter unidos até a última partida", afirmou ainda na saída do gramado, ouvindo os aplausos da torcida apesar do péssimo resultado. Ele vai se apresentar ao Internacional após a decisão.

Apesar da grande festa da torcida, o time da Ponte Preta decepcionou em campo e acabou sendo presa fácil para o Corinthians, que praticamente carimbou o título paulista em Campinas. No jogo de volta pode perder até por dois gols de diferença no Itaquerão.

Este fato deixou os jogadores da casa abatidos e todos foram preservados, não dando entrevistas após a saída dos vestiários. Poucos passaram pela zona mista e quem chegou lá não soube explicar o que houve com o time, como o goleiro Aranha. "Não sei o que dizer, não dá para explicar. Faltou intensidade e bobeamos na marcação. Mas é importante elogiar a grande atuação do Corinthians".

O técnico Gilson Kleina, os jogadores e também os dirigentes só lamentaram o desfecho da decisão por conta da nova frustração da torcida. Ela foi a única que ganhou elogios por sua presença, sua vibração e confiança. Desta vez, o time é quem foi o vilão.

O sonhado primeiro título está bem distante e deve ficar para outra oportunidade. O time está perto de seu sexto vice-campeonato paulista. Antes já foi o segundo melhor do Estado em 1970 (São Paulo), 1977 e 1979 (Corinthians), 1981 (São Paulo), 2008 (Palmeiras) e agora em 2017. Em 2013 foi vice-campeã da Copa Sul-Americana (perdeu para o Lanús, da Argentina). Como se diz no futebol, a Ponte Preta está batendo na trave, está chegando perto. Mas a sua torcida ainda não conseguiu soltar o grito de campeão em quase 117 anos de vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.