CARLOS EZEQUIEL VANNONI/ELEVEN
CARLOS EZEQUIEL VANNONI/ELEVEN

Artilheiros brilham, e melhor São Paulo dos pontos corridos vence o Sport

Desde 2003, quando o Campeonato Brasileiro adotou esse sistema de disputa, nunca o clube tinha somado tanto em 18 jogos

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

12 Agosto 2018 | 17h59

O melhor São Paulo dos pontos corridos continua firme no topo da tabela. Com gols de Diego Souza e Nenê, artilheiros do clube na temporada (11 gols cada), e outro de Tréllez, o time de Diego Aguirre derrotou o Sport por 3 a 1, na tarde deste domingo, na Ilha do Retiro, no Recife, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro. Marlone descontou para os anfitriões.

O resultado manteve os paulistas na liderança, com 38 pontos, um à frente do Flamengo, que venceu o Cruzeiro (1 a 0) no Maracanã. Desde 2003, quando o Brasileirão adotou o atual sistema de disputa, nunca o clube do Morumbi havia pontuado tanto após 18 jogos, nem mesmo no tricampeonato (2006, 2007 e 2008). A melhor performance até então fora obtida em 2007, ano em que a equipe somava as mesmas 11 vitórias do elenco atual, mas tinha um ponto a menos.

Os pernambucanos, por sua vez, chegaram à quinta derrota em seis partidas desde a retomada da competição depois da pausa para a Copa do Mundo da Rússia, o que fez o clube despencar na tabela. Do sétimo lugar em que se encontrava até a interrupção, caiu para o 13º, com 20 pontos, com chances de perder mais posições no complemento da rodada.

Enquanto o Sport só volta a campo no próximo fim de semana, pelo Brasileirão – visita o Santos no sábado, às 16h, na Vila Belmiro –, o São Paulo tem outra competição à vista antes de encarar a Chapecoense no domingo, às 19h, no Morumbi. Na quinta-feira, o desafio será pela Copa Sul-Americana. O time vai até Santa Fé, na Argentina, enfrentar o Colón-ARG, às 21h45 (de Brasília), pelo jogo de volta da segunda fase. Na ida, no estádio tricolor, os argentinos surpreenderam e venceram por 1 a 0. 

O jogo. Com rara oportunidade de escalar sua formação ideal neste campeonato, o técnico são-paulino Diego Aguirre promoveu o retorno de Jucilei, fora da equipe desde a primeira partida pós-Copa, quando se machucou durante a vitória sobre o Flamengo. Liziero voltou para o banco de reservas. Do outro lado, Claudinei Oliveira abriu mão do atacante Rogério para preencher mais o meio-campo da equipe com Ferreira.

O que parece ter falado ao treinador do Sport foi armar o time para anular um dos pontos fortes do adversário, o jogo ofensivo pelo lado esquerdo. Com uma avenida à disposição, Everton e Reinaldo construíram todos os melhores lances do primeiro tempo, inclusive o do gol, que ainda contou com falha decisiva do meia Gabriel.

Aos 30, Gabriel perdeu o controle da bola quando o time partia em direção ao ataque e a deixou de graça para Reinaldo, que acionou Everton na esquerda com a defesa pernambucana completamente aberta. O atacante achou Diego Souza na pequena área, que teve calma para dominar e bater sem dificuldade com o goleiro Magrão já caído: 1 a 0.

Ex-atleta da casa, o camisa 9 são-paulino comemorou o gol com moderação, fazendo um coração com as mãos e recebendo até aplausos da torcida local pelo gesto de respeito. "A gente é profissional. Eu sempre vou fazer meu melhor. Eu fui feliz aqui dentro e sem dúvidas é diferente", disse, ainda no intervalo.

Segundo tempo. Claudinei Oliveira resolveu mexer logo na volta para o segundo tempo, e em dose dupla: colocou Rogério e Morato (envolvido na ida de Everton Felipe para o São Paulo esta semana) nos lugares de Ferreira e Rafael Marques, respectivamente.

O abafa do Sport, porém, durou seis minutos, pois, no seguinte, Nenê recebeu passe de Rojas pela direita, já dentro da área, e chutou rasteiro, no canto esquerdo de Magrão, para ampliar a vantagem: 2 a 0.

Com inteligência, o São Paulo inverteu o lado e passou a atacar pela direita, aproveitando a velocidade de Rojas, pouco acionado na primeira etapa, para contra-atacar. Foi por ali, por exemplo, que a equipe criou a jogada do gol corretamente anulado de Reinaldo – Nenê, que ajeitou a bola cruzada por Rojas, estava impedido. 

Diante de uma partida absolutamente controlada, Aguirre se deu ao luxo de "poupar" seus dois artilheiros e, na casa dos 30 minutos, já havia sacado Nenê e Diego Souza de campo para as entradas de Shaylon e Tréllez, respectivamente. Ainda promoveu a estreia de Everton Felipe, que substituiu Rojas.

O gol sofrido em falta cobrada por Marlone que desviou na barreira, aos 41, não impediu a 11ª vitória tricolor no campeonato, confirmada aos 44 com gol de Tréllez, que chutou duas vezes para superar Magrão: 3 a 1.

FICHA TÉCNICA

Sport: Magrão; Cláudio Winck, Ronaldo Alves, Ernando e Sander; Deivid, Ferreira (Rogério), Fellipe Bastos e Gabriel; Rafael Marques (Morato) e Carlos Henrique (Marlone). Técnico: Claudinei Oliveira.

São Paulo: Sidão; Bruno Peres, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo; Hudson, Jucilei e Nenê (Shaylon); Rojas (Everton Felipe), Everton e Diego Souza (Tréllez). Técnico: Diego Aguirre.

Gols: Diego Souza aos 30 do 1º tempo; Nenê aos 7, Marlone aos 41, e Tréllez aos 44 do 2º.

Cartões amarelos: Deivid (Sport); Arboleda, Anderson Martins e Bruno Peres (São Paulo).

Público: 16.050 pessoas.

Renda: R$ 311.135,00

Juiz: Anderson Daronco (RS).

Local: Ilha do Retiro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.