Iara Morselli/Estadão
Iara Morselli/Estadão

As Copas em minha vida

Torço muito para que, ao final dessa Copa, a seleção brasileira volte a ser de quem ela realmente pertence

Zé Elias*, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2018 | 04h00

Dia 14 de junho de 1982, Brasil 2 a 1 URSS, gol do Sócrates e um golaço do meu ídolo Eder. Assim começa minha história com as Copas do Mundo, 6 anos de idade.

+ Luis Fernando Verissimo - Expatriados

+ Tá russo! Investigações criminais não podem ser publicadas durante a Copa

+ Almir Leite - Otimismo moderado faz bem à seleção brasileira

Tenho poucas lembranças daquele mundial. Para variar um pouco, eu estava na rua jogando bola com meus primos, escutando pelo rádio da Kombi do meu tio a derrota para a Itália. Apesar de muitos falarem, de Zico, Falcão e Sócrates, naquele momento eu só queria ser o Eder...

Na Copa de 86, eu tinha 10 anos, jogava futsal no Corinthians. Lembro muito bem da bomba do Júlio Cesar, dos golaços do Josimar, da tranquilidade do dr. Sócrates no gol contra a Espanha, da genialidade do Careca e do maestro Junior no meio-campo e do pênalti perdido pelo Zico.

Copa de 90, lembro da polêmica convocação do Romário, da era Dunga e principalmente da derrota para a Argentina. 

 

Copa de 94, a primeira em que me senti dentro da seleção, já era jogador profissional, havia enfrentado muitos dos que estavam ali, Zinho, Cafu, Zetti, meu amigo e companheiro de Corinthians Viola, Leonardo, Mazinho, Müller e Ronaldo. Meu nervosismo foi tanto que, na cobrança dos pênaltis, fui dar uma volta de carro – só comemorei quando vi as pessoas nas ruas festejando.

A Copa de 98 foi a mais difícil para mim. Estive muito próximo de disputar esse Mundial, infelizmente não fui chamado – a derrota para Argentina em pleno Maracanã e a minha péssima atuação pesaram na escolha.

A Copa de 2002 foi a que torci para meu amigo Ronaldo. Tive a honra de jogar com ele na Inter de Milão, de 1997 a 99, e também na seleção. Ronaldo me fez entender a diferença entre o grande jogador e o craque.

Na Copa de 2006, meus sentimentos pelo futebol haviam mudado, estava na fase de transição entre parar de jogar ou não. Foi a minha primeira Copa como comentarista, a expectativa era o título, mas perdemos mais uma vez para a França.

A Copa de 2010 foi inesquecível. Eu tinha um ano de aposentadoria do futebol, minha atenção era para as transmissões no rádio. A responsabilidade era outra – agora eu não era o julgado, era o formador de opinião.

Copa de 2014, trabalho dobrado, a voz no rádio ganha um rosto na televisão, mais uma responsabilidade, mais um sonho realizado. Minha esposa, que não entende nada de futebol, entra no clima, bandeiras do Brasil na janela, cornetas e uma alegria que não lhe pertence, já que ela não entende nada de futebol. Após o terceiro gol da Alemanha, ela recolheu bandeiras e cornetas, desligou a televisão e não se falou mais de Copa do Mundo naquele dia. Sem dúvida nenhuma, foi a derrota de 7 a 1 para a Alemanha em pleno Brasil que fez com que definitivamente Barbosa, o goleiro da Copa de 1950, pudesse descansar.

Copa de 2018, véspera da nossa estreia perante a Suíça, o Brasil está frio, não sinto aquela empolgação de Mundial, ruas pintadas, bandeirinhas amarradas nos postes, coisa rara de se ver nos dias de hoje. Nosso País vive um péssimo momento político, a CBF nos envergonha com seus ex-presidentes envolvidos em escândalos da corrupção. Tite é o responsável por nos reaproximar da camisa verde-amarela.

A vida mudou, o futebol mudou, a forma como olhamos para a seleção não é mais a mesma. Hoje, Marcelo não é o lateral da seleção: é o lateral do Real Madrid. O Coutinho é do Barcelona, o Neymar é do PSG e a seleção é do Tite. Torço muito para que, ao final dessa Copa, a seleção brasileira volte a ser de quem ela realmente pertence.

 

*EX-JOGADOR E COMENTARISTA DA ESPN

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.