Laurent Gillieron/EFE
Laurent Gillieron/EFE

Às vésperas da estreia, Gelson Fernandes afirma: 'A Suíça não tem medo do Brasil'

Suíços enfrentam a seleção brasileira no domingo, às 15 horas (de Brasília)

Estadão Conteúdo

14 Junho 2018 | 17h14

A seleção brasileira estreia na Copa do Mundo diante da Suíça neste domingo, em Rostov, às 15 horas (de Brasília). O time de Tite sabe que terá pela frente um adversário experiente, com uma forte defesa. Um dos veteranos da equipe europeia, Gelson Fernandes ainda fez questão de avisar: "Não tememos o Brasil".

+ Tite define escalação da estreia do Brasil na Copa do Mundo da Rússia

+ Rival do Brasil na estreia, Suíça aposta em meia recordista em Copas

"Nós temos um time ambicioso, que tem muito talento e que tem amadurecido", declarou o jogador de 31 anos, do Eintracht Frankfurt. "Nós não temos medo do Brasil. Nossos jogadores vêm de grandes ligas, estão acostumados a enfrentar estrelas mundiais a cada fim de semana."

O próprio Gelson Fernandes é um destes jogadores acostumados a grandes jogos. Afinal, ao longo da carreira, já atuou na Inglaterra, na França, na Itália, em Portugal e na Alemanha. Na Rússia, o meio-campista também disputará sua terceira Copa do Mundo na carreira, mas desta vez na reserva.

"Eu não posso evitar isso (o fato de ser reserva). Não posso dizer que estou orgulhoso de ser um substituto, mas eu nunca vou dar as costas para a seleção nacional. Eu estou feliz como jogador e feliz com a seleção nacional", afirmou.

 

Gelson Fernandes inclusive já antecipou que ficará no banco na estreia contra o Brasil. "Isso é um fato, todo mundo sabe. Mas é por isso que me preparo para os jogos normalmente, você nunca sabe o que vai acontecer. Talvez alguém se machuque ou eu possa entrar para fechar o time se estivermos vencendo. Se não estou pronto, posso arruinar tudo: o jogo, o time, todo o país."

Suíça e Brasil estão no Grupo E da Copa do Mundo. Depois de pegar a seleção de Tite, os suíços terão pela frente a Sérvia, dia 22, em Kaliningrado, e a Costa Rica, cinco dias mais tarde, em Nijni Novgorod.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.