Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Às vésperas de marca, Bruno Henrique nega favoritismo do Palmeiras na semifinal

Jogador chegará no domingo ao 100º jogo pelo Palmeiras no clássico com o São Paulo, pelo Campeonato Paulista

Redação, O Estado de S. Paulo

04 de abril de 2019 | 15h49

O meia Bruno Henrique, do Palmeiras, afirmou nesta quinta-feira que o time não se considera favorito para a semifinal do Campeonato Paulista, no próximo domingo, contra o São Paulo, no Allianz Parque. Apesar de nunca ter perdido para o rival na sua nova arena, a equipe alviverde prega cautela com a situação e se prepara para não ser surpreendido dentro de casa.

"Clássico não tem favoritismo, não podemos achar que por termos vencido (outras vezes) vamos vencer no domingo. Tabu não entra, sabemos que em casa somos fortes. É entrar com ímpeto para fazer um jogo com intensidade grande, um grande clássico que pode nos levar à final de um campeonato", disse Bruno Henrique em entrevista coletiva. No encontro de ida, no Morumbi, as equipes empataram sem gols.

A torcida do Palmeiras tem demonstrado ansiedade para a semifinal. Até agora foram vendidos 36 mil ingressos. Os dois rivais se enfrentaram pela última vez nesta etapa do Estadual em 2008, com vitória do Palmeiras. Dentro do Allianz Parque, o São Paulo é o maior freguês do clube, ao ter vencido os sete jogos disputados.

Bruno Henrique vai atingir na semifinal o 100º jogo pelo Palmeiras. O meia ressaltou se sentir honrado com a marca e garantiu que pelo técnico Cuca, do São Paulo, ter trabalhado recentemente no clube alviverde, isso pode significar alguma vantagem. "Quando o treinador conhece, às vezes em alguma jogada ou no planejamento, por saber nossas características, pode ajudar de alguma maneira. Mas estaremos preparados para não sermos surpreendidos", comentou.

Para Entender

Guia do Paulistão 2019: tudo o que você precisa saber sobre a competição

Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo vão iniciar competição com menos de três semanas de pré-temporada

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.