ASA recebido com festa em Arapiraca

Um turista estrangeiro que passasse hoje por Arapiraca-AL poderia com razão achar que estava na capital do futebol brasileiro. A derrota do ASA para o Palmeiras por 2 a 1, ontem, que acabou classificando o time alagoano para a segunda fase da Copa do Brasil, foi comemorada como título por cerca de 7 mil torcedores ararapiraquenses, que se amontoaram na entrada da cidade para recepcionar os jogadores. "Mas não temos o que festejar, nos classificamos mas ainda temos vários jogos pela frente", disse, sem convencer, o eufórico gerente de futebol do clube, Sandro Albuquerque. A delegação do ASA chegou à cidade às 17h30 e foi recepcionada logo na entrada de Arapiraca, na Avenida Lamenha Filho, por um trio elétrico alugado pelos torcedores, com apoio financeiro da prefeitura da cidade. Os jogadores, ignorando o discurso dos dirigentes de que não havia motivo para cair na folia, subiram no trio a pedido da prefeita Célia Rocha (PSDB) e de outras autoridades arapiraquenses. De volta ao ônibus do time, uma hora e vinte minutos depois - num percurso que normalmente duraria 10 minutos - a delegação enfim chegou ao clube. Os dirigentes do ASA ofereceram um jantar de comemoração aos jogadores pela conquista da vaga em cima do Palmeiras. "Coisa simples, apenas para receber nossos atletas", comentou o presidente do ASA, Luciano Soares Machado. O treinador Ubirajara Veiga, contratado pelo clube com vistas à Copa do Brasil, ficou na capital Maceió e não participou da festa. Mas, de lá mesmo, 136 km de distância, advertiu que a festança teria de ser moderada. Segundo ele, às 22h30, os jogadores se recolheriam a seus quartos (num hotel no centro de Arapiraca, alugado pelo clube) para descansar para o treino de amanhã cedo, às 9 horas. A assessora de imprensa da prefeitura de Arapiraca, Regina Carvalho, por sua vez, garantiu que após o jantar oferecido pelo clube, os jogadores voltariam ao trio elétrico e percorreriam as ruas da cidade para comemorar até o fim da noite. "Hoje tudo é festa, e ela não tem hora para acabar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.