Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Assediado, lateral Cicinho acerta permanência na Ponte

Disputado por São Paulo, Palmeiras e Fluminense, atleta preferiu renovar contrato

AE, Agência Estado

23 de novembro de 2012 | 19h49

CAMPINAS - A torcida da Ponte Preta recebeu uma grande notícia na tarde desta sexta-feira. Uma das principais revelações do Campeonato Brasileiro e assediado por grandes clubes, como São Paulo, Palmeiras e Fluminense, o lateral-direito Cicinho prorrogou seu contrato com o time campineiro até o fim de 2015 e teve um aumento salarial.

Em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira para falar sobre a permanência do lateral na próxima temporada, o executivo de futebol Ocimar Bolicenho confirmou ter sido procurado por pessoas ligadas ao Fluminense, mas a Ponte conseguiu igualar a proposta e prorrogou o vínculo de Cicinho, que ia até maio de 2015.

Cicinho deixou claro que o projeto traçado pela diretoria foi o que o motivou a permanecer no Moisés Lucarelli até o final do contrato. Ambientado na cidade e satisfeito com a qualidade do elenco alvinegro, o lateral espera que todo o esforço do clube seja coroado com o título do Paulistão de 2013.

"Já está definido. Vou permanecer aqui nos meus três anos de contrato. Vou procurar fazer meu melhor, com 100% de determinação para que a gente possa concretizar o maior objetivo nosso, que é ser campeão paulista. Eles querem fazer um grupo forte e querem contar comigo. Tem tudo para dar certo e fazer um ano de 2013 bem melhor que esse", afirmou o lateral.

De contrato renovado, Cicinho está confirmado para o duelo deste domingo, contra o São Paulo, às 17 horas, no Estádio Moisés Lucarelli, pela 37.ª rodada do Campeonato Brasileiro. A única dúvida está no ataque: Luan machucado pode ceder sua vaga a Rildo. A Ponte se encontra na 12.ª colocação, com 46 pontos e precisa de um simples empate para acabar com qualquer risco de rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.