Assédio e tietagem na volta de Ana Paula aos estádios

Auxiliar trabalhou no jogo São José 1 x 1 Taquaritinga, pela Série A-2 do Campeonato Paulista

Agência Estado

09 de fevereiro de 2008 | 18h58

"Me senti como se estivesse na minha primeira decisão de Campeonato Paulista". Esse foi o sentimento da auxiliar Ana Paula de Oliveira em seu retorno aos gramados. Ela teve uma atuação discreta e sem polêmica no empate por 1 a 1 entre São José e Taquaritinga, na tarde deste sábado, em São José dos Campos, pela quinta rodada do Campeonato Paulista da Série A-2. "Realmente é muito gratificante voltar a campo. Estou muito feliz por essa oportunidade. Foi como se estivesse em uma final de campeonato", comemorou, lembrando de sua primeira decisão de Paulista, no jogo São Paulo 2 x 3 Corinthians, em 2003. Ana Paula passou 245 dias sem trabalhar em um jogo oficial. O último havia sido em 9 de junho de 2007, no jogo Taboão da Serra 3 x 1 Barcelona, pela Segunda Divisão do Paulista. Em partidas da CBF, esta afastada desde 24 maio, um dia depois de anular dois gols e ser muito criticada no jogo do Botafogo contra o Figueirense, que eliminou a equipe carioca da Copa do Brasil. Mas nesta tarde, Ana Paula viveu momentos diferentes. Foi assediada e elogiada. Em outros dias, emissoras da capital, como SBT, Record e Globo, jamais acompanhariam as partidas de São José e Taquaritinga. Desta vez, porém, mandaram seus repórteres a campo para transmitir de perto a volta da auxiliar. Não bastasse a grande procura dos entrevistadores, ela teve também que atender até mesmo a dirigentes das equipes para sessões de fotos. Apesar do alvoroço causado em São José dos Campos, a bandeirinha quer apenas voltar a fazer seu trabalho dentro das quatro linhas. "Acredito que, com a seqüência de jogos, posso voltar a buscar meu espaço dentro do quadro de arbitragem", declarou Ana Paula, que foi capa da revista Playboy em julho de 2007 e garantiu 300 mil exemplares vendidos.

Tudo o que sabemos sobre:
Ana Paula OliveiraFPFPaulistão A-2

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.