Assessor do Bahia nega ameaça a árbitro

O jornalista Luiz Brito, assessor de imprensa do Bahia que teria "ameaçado de morte" Paulo César Oliveira, árbitro do jogo decisivo do time baiano contra o Brasiliense, disse nesta quinta-feira que o árbitro mentiu na súmula ao acusá-lo. "Eu o alertei da seguinte forma: você vai morrer pois da forma que está prejudicando o Bahia o policiamento do estádio não vai conter a fúria de 50 mil torcedores", disse, afirmando, contudo, não se arrepender de ter xingado o árbitro que, segundo ele, teria prejudicado o Bahia."Estão preocupados com o meu julgamento, mas o problema é que por causa dos erros desse canalha o Bahia teve de pronto um prejuízo de R$ 8 milhões pela redução da cota da televisão por permanecer na Série B", disse Luiz Brito, lembrando que o clube também deve perder outros patrocínios por não subir à elite do futebol brasileiro. Segundo Luiz Brito, "não deu para suportar" o fato de Paulo César de Oliveira não ter assinalado dois pênaltis para o Bahia no primeiro tempo e marcado um a favor do Brasiliense. O time baiano conseguiria o acesso para a Série A se vencesse a partida, mas acabou perdendo por 3 a 2.Luiz Brito admite que se descontrolou, mas não poupou críticas a Paulo César de Oliveira. "Ele me xingou também e até mandou os policiais me prenderem, mas prejudicou tanto o Bahia que nenhum soldado quis cumprir a ordem", contou o assessor de imprensa, lamentando que no Brasil não haja qualquer punição contra os erros dos árbitros de futebol."Vão discutir o sexo dos anjos nesse meu julgamento, enquanto o problema é o prejuízo que o árbitro causou para o Bahia", atacou Luiz Brito, que garantiu não estar preocupado com uma eventual condenação que o afastaria do futebol. "Quero deixar bem claro que tenho trinta anos de profissão, não tenho antecedentes criminais e vou continuar sendo jornalista."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.