Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Associação dos árbitros vai processar Kalil, ex-presidente do Galo

A Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf) garantiu nesta quinta-feira que vai processar cível e criminalmente o ex-presidente do Atlético Mineiro, Alexandre Kalil, por ter chamado os representantes da arbitragem de "ratos". A manifestação de Kalil ocorreu por meio do Twitter, após a derrota do clube mineiro para o Atlético Paranaense. "Fomos campeões da Libertadores porque tiramos esses ratos das nossas vidas", escreveu, referindo-se ao título continental de 2013.

ALMIR LEITE E MÁRCIO DOLZAN, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2015 | 22h01

A reação da Anaf ocorreu nesta quinta-feira. "Não vai ficar impune", afirmou o presidente da associação, Marco Antônio Martins. "Vamos impetrar ação na área criminal e na cível. Tudo será feito para que esse senhor se retrate, ou então prove o que disse".

Martins também aproveitou as polêmicas ocorridas nos jogos de quarta-feira para defender a adoção da tecnologia para auxiliar os árbitros. "Sem a tecnologia a nosso favor está quase impossível apitar um jogo de futebol no Brasil".

O árbitro Marcelo de Lima Henrique, que dirigiu o jogo do Atlético Mineiro, também afirmou que vai processar Kalil por tê-lo chamado de "ladrão e vagabundo" - igualmente pelo Twitter. "Eu irei até as últimas instâncias. Me sinto profundamente triste. Futebol é lazer, temos que ser homens de bem acima de tudo".

Marcelo de Lima Henrique disse que só conseguiu sair do estádio Independência, local da partida, bem depois do fim do jogo e que só chegou ao hotel onde estava hospedado por volta das 2h45 de quinta-feira, pois temeu ser agredido. "Após a partida recebemos uma ligação, por volta de 0h15, dizendo que na porta do nosso hotel tinha um grande grupo de torcedores aguardando a nossa chegada. Tivemos que acionar todo um aparato policial para nos escoltar do estádio ao hotel e uma outra viatura para limpar a área em frente ao hotel, para que pudéssemos entrar sem nenhum problema", contou.

ABSOLVIÇÃO

Já o presidente do Atlético Paranaense, Mário Celso Petraglia, que fez insinuações sobre favorecimento da arbitragem ao Corinthians, foi absolvido nesta quinta-feira pelo STJD. Há duas semanas, publicou em uma rede social que era "difícil destruir o poder extracampo dos paulistas" e que em "vários jogos fomos prejudicados pelas arbitragens". Petraglia publicou ainda que tudo conspirava em favor do SCCP (Corinthians). Ele foi julgado por "conduta contrária à ética".


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.