Assustado, Cris ameaça deixar o Cruzeiro

Supostas ameaças de morte dirigidas ao zagueiro Cris e ao atacante Guilherme movimentaram esta terça-feira a Toca da Raposa II e levaram o zagueiro do Cruzeiro a um desabafo emocionado. A história começou quando o superintendente de Segurança do clube mineiro, Severo Augusto, que já ocupou o cargo de comandante da Polícia Militar na capital, concedeu entrevista a uma rádio da capital mineira confirmando que havia a suspeita de ameaças e que já existia um esquema de segurança à distância que poderia ser acionado. Cris reagiu à notícia afirmando que poderia até deixar o Cruzeiro. "É uma situação delicada porque eu não quero colocar minha vida em risco. Se eu ver que a minha vida está sendo ameaçada aqui, principalmente aqui em Belo Horizonte, uma cidade que eu amo, que eu gosto muito, eu pego minhas coisas e vou embora, porque eu não quero perder a minha vida à toa", disse Cris, que chorou durante a entrevista coletiva. O jogador e o goleiro do Atlético-MG, Eduardo, protagonizaram cenas de violência após o clássico do último domingo, quando o Cruzeiro conquistou o bicampeonato mineiro. Eduardo foi tirar satisfações com o zagueiro, que estaria provocando a torcida atleticana, o que Cris nega. "Lógico que eu estou tomando as minhas precauções para não ser surpreendido, mas eu acho muito chato isso porque foi uma coisa que aconteceu dentro de campo e já está sendo resolvida. Isso dá medo", admitiu o capitão cruzeirense. "Rivalidade entre torcida existe, mas não ao ponto de ser ameaçado de morte." O clube porém, vem tratando com reserva e incredulidade as supostas ameaças. O assessor de imprensa, Valdir Barbosa, classificou de "precipitada" e "lamentável" a divulgação da informação. "Nós aqui no Cruzeiro estamos absolutamente tranqüilos." Ele disse que recebeu na segunda-feira, por telefone, a mesma informação de uma pessoa que se dizia da Polícia Civil e logo em seguida duas pessoas foram à Toca e ofereceram serviços de segurança para Cris e Guilherme. "Elas foram dispensadas por nós porque sabíamos que não havia nenhum fundamento", afirmou Barbosa. O zagueiro disse que não recebeu nenhuma ligação com ameaças, mas mesmo assim se mostrou preocupado com os "boatos". "Tomara que seja mentira. Eu tenho uma família, tenho dois filhos, tenho minha mãe, meu pai, e a partir do momento que eu ver que eu estou sendo ameaçado eu vou embora."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.