Yuri Edmundo/EFE
Yuri Edmundo/EFE

Astro do Barcelona, Luis Suárez é a arma do Uruguai contra o Equador

Maior artilheiro da história da seleção de seu país Uruguai, atacante agora tenta levar a equipe ao 16.º título do torneio

Leandro Silveira, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2019 | 04h30

Uma lesão no joelho às vésperas de um torneio no Brasil e uma corrida contra o tempo para defender o Uruguai. O cenário lembra o momento enfrentado no Mundial de 2014 e é novamente encarado pelo atacante Luis Suárez, que neste domingo entra em campo para a estreia da sua seleção na Copa América, às 19h, contra o Equador, no Mineirão, pela 1.ª rodada do Grupo C.

Suárez se submeteu a uma artroscopia no joelho direito em 9 de maio. Há cinco anos, ele não jogou a primeira partida da Copa e começou apenas no segundo jogo, após se recuperar de cirurgia no joelho esquerdo.

Com ele em campo, o Uruguai, que havia perdido na estreia em 2014 para a Costa Rica, venceu a Inglaterra por 2 a 1, com dois gols seus. Na sequência, o triunfo sobre a Itália ficou ofuscado pela mordida em Chiellini, que encerrou sua participação na Copa de 2014 – ele foi suspenso por nove partidas.

Maior artilheiro da história do Uruguai, Suárez agora tentará levar a equipe ao 16.º título. E garante estar em melhor condições para liderar a equipe do que há cinco anos. Assim, espera repetir 2011, quando foi campeão da Copa América, com quatro gols marcados, sendo um deles na final contra o Paraguai. “Na Copa de 2014, pensei que chegaria bem e aos 15 minutos do segundo tempo já estava com cãibras. Desta vez, tinha margem para me recuperar da lesão e sabia que ia chegar bem”, disse.

Menor país da América do Sul e maior vencedor da Copa América, o Uruguai será comandado pela sexta vez, a quinta seguida, pelo técnico Oscar Tabárez, que segue apostando em veteranos – o goleiro Fernando Muslera, o capitão e zagueiro Godín e o atacante Cavani, além, claro, de Luis Suárez.

O Equador, dirigido por Hernán Dario Gomez, deve ser mais defensivo. O são-paulino Arboleda está escalado na zaga e o meia Antonio Valencia, do Manchester United, será a principal referência em campo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.