Atacante acusa árbitro de racismo

O atacante Marco Antônio, do Campinense Clube, denunciou ao Ministério Público da Paraíba o árbitro Genival Batista Júnior, da Federação Paraibana de Futebol (FPF), sob a acusação de racismo. Segundo o atleta, Genival o teria chamado de "macaco" e de "negro safado" durante partida válida pela última rodada do segundo turno do Campeonato Paraibano, na qual o Campinense perdeu por 2 a 1 para o Nacional da cidade de Patos, no último sábado à noite.Em denúncia feita ao promotor Herbert Douglas Targino, Marco Antônio disse que sofre uma "espécie de perseguição" do árbitro pois em todas as partidas arbitradas por Genival é expulso. No sábado, aos 25 minutos do primeiro tempo, Marco Antônio recebeu cartão amarelo e, posteriormente, vermelho, em um lance de falta. Ele disse ao promotor que foi reclamar do árbitro porque sofrera três faltas durante a partida, sem que fosse marcada qualquer infração. Foi aí, segundo Marco Antônio, que Genival o teria xingado.A situação do árbitro, que é coronel da Polícia Militar da Paraíba, poderá se complicar em virtude de uma gravação feita por um repórter de uma emissora de rádio de Campina Grande que transmitia a partida, contendo as palavras do árbitro em relação ao jogador. Após a expulsão, houve confusão em campo e a PM entrou no gramado para conter o atleta, que partiu para cima do juiz. Repórteres que estavam à beira do campo também invadiram o gramado e um deles teria conseguido gravar as palavras do árbitro.O MP confirmou estar de posse da fita, que ainda será analisada. Através de ofício, a Comissão de Arbitragem da FPF solicitou do radialista uma cópia da gravação. "A posse desse instrumento facilitará no que nos couber encaminhar medidas cabíveis, não eximindo o acusado de sofrer outras sanções de ordem penal", afirma o documento.O presidente da Comissão de Arbitragem da FPF, Kelson de Assis Chaves, que é tenente coronel da PM paraibana, confirmou ainda que o árbitro iria prestar esclarecimentos ao MP na tarde desta terça-feira, mas Genival não apareceu. "Ele foi convidado. Como se negou a atender o convite, será intimado", afirmou o promotor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.