Atacante chileno Marcelo Salas se aposenta aos 33 anos

Jogador foi um dos melhores da história do futebol do Chile; ele brilhou no River Plate e na Lazio

Claudio Cerda, Reuters

28 de novembro de 2008 | 18h58

O ex-atacante da seleção chilena e da Lazio Marcelo Salas, que marcou 37 gols com a camisa de seu país, anunciou nesta sexta-feira sua aposentadoria dos gramados, aos 33 anos. "Eu tive um encontro hoje (sexta) com Marcelo e ele disse que decidiu não continuar jogando", disse o diretor do clube Universidad de Chile, Federico Valdes, em entrevista para um canal de televisão.  Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão"A última partida profissional de Marcelo foi contra o Cobreloa, no último domingo, quando ele marcou dois gols", acrescentou.  O ex-melhor jogador da América Latina começou sua carreira no Universidad em 1994, antes de se transferir para o River Plate, da Argentina, em 1996. Ele ajudou o Chile a se classificar para a Copa do Mundo de 1998, a primeira participação do país na competição depois de 16 anos, e marcou quatro gols na campanha dos chilenos até as oitavas-de-final. Salas formou uma excelente parceria no ataque da seleção com Ivan Zamorano. O chileno se transferiu depois para a Lazio, onde ficou por três temporadas, conquistando um Campeonato Italiano.  Em 2001 Salas foi para a Juventus, mas teve uma série de lesões e sua carreira nunca mais foi a mesma. O atacante voltou em 2003 parar o River Plate, onde passou duas temporadas também repletas de lesões, e continuou a ser atormentado por contusões até que voltou ao Universidad. Ele igualou a marca de Zamorano de 34 gols feitos pelo Chile em 2001, mas precisou de mais quatro anos para quebrar o recorde, finalmente atingindo a meta em um jogo das eliminatórias da Copa do Mundo contra a Bolívia. Salas marcou seus dois últimos gols pela seleção em um empate por 2 a 2 contra o Uruguai, ano passado, nas eliminatórias para o Mundial de 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
Marcelo Salasfutebolseleção chilena

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.