Franck Fife/AFP
Franck Fife/AFP

Atacante da Dinamarca diz que é melhor jogar contra Croácia do que encarar Messi

Andreas Cornelius admite superioridade do atacante da Argentina e pede atenção aos rivais

Estadão Conteúdo

28 Junho 2018 | 14h10

O atacante Andreas Cornelius acredita que foi melhor para a Dinamarca cruzar com a Croácia nas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia, em confronto eliminatório que vai ser disputado às 15 horas (de Brasília) deste domingo, em Nijni Novgorod. Para o dinamarquês, seria pior enfrentar a Argentina, em especial por causa de Lionel Messi.

+ Colômbia vence Senegal com gol de Mina e se classifica para as oitavas

+ Japão perde para a Polônia, mas se classifica por ter menos cartões do que Senegal

+ A cinco cadeiras de distância, Coronel Nunes desconhecia Dmitry Medvedev

"Iria ser Croácia ou Argentina na segunda fase. Se antes do torneio você tivesse me perguntado quem eu ia preferir enfrentar, eu teria dito Croácia, para evitar jogar contra o Messi", admitiu o atacante dinamarquês em entrevista à Fifa TV, publicada nesta quinta-feira.

O jogador de 1,95m aprovou a campanha dinamarquesa no torneio até o momento, mas acredita que o cenário será diferente a partir das oitavas. "Conseguimos cinco pontos em três jogos na fase de grupos, o que é um ótimo resultado para nós. Mas agora, nas partidas eliminatórias, não seremos tão centrados em tática e você não tem de se preocupar com o que está acontecendo nas outras partidas", analisou o atacante.

Já o zagueiro Mathias Jorgensen acha que a Croácia pode ser tão ou mais difícil de enfrentar do que a Argentina. "Antes do início do Mundial, muita gente temeu que cruzássemos com os argentinos. Mas a seleção croata vem muito bem nesse torneio e é claro que há muitas estrelas na equipe deles", disse o defensor à Fifa TV.

Jorgensen exaltou Ivan Rakitic e Luka Modric, considerados os dois melhores jogadores da Croácia, mas mostrou confiança para o duelo. "Eles formam um meio de campo assustador, mas nesse setor também estamos bem servidos, com jogadores que atuam em grandes clubes", afirmou o defensor.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.