Giuseppe Cacace/AFP
Giuseppe Cacace/AFP

Atacante diz que Al Ain mereceu vaga na final e garante busca pelo título

Marcus Berg marcou um dos gols do empate com o River Plate que levou partida para os pênaltis

Redação, Estadão Conteúdo

21 de dezembro de 2018 | 16h42

O Al Ain é a grande zebra deste Mundial de Clubes. Depois de entrar na competição como campeão do país-sede, a equipe dos Emirados Árabes Unidos eliminou os representantes da Oceania (Team Wellington), da África (Espérance) e da América do Sul (River Plate) para chegar à decisão com o Real Madrid. Para o atacante sueco Marcus Berg, os donos da casa fizeram por merecer esta classificação.

"O time merece estar na final. Mais uma vez, nós provamos o valor do clube para todo mundo. Nós estamos orgulhosos do que alcançamos até o momento, já que nosso desempenho tem sido realmente impressionante. Estamos na final com méritos", declarou em entrevista ao site da Fifa.

O próprio Berg, porém, considerou uma surpresa a campanha do Al Ain, principalmente a vitória sobre o poderoso River Plate nos pênaltis, nas semifinais. Diante do gigante argentino, a equipe conseguiu arrancar um empate por 2 a 2 e levou a melhor nas penalidades.

"Este era nosso sonho desde o início, desde que conquistamos o título dos Emirados Árabes. Mas os adversários eram campeões continentais, então, ao menos no papel, não se esperava que pudéssemos chegar tão longe na competição. No entanto, mostramos para todo mundo o que podemos fazer em campo", avaliou.

Se engana, porém, quem acredita que o Al Ain está satisfeito com a vaga na decisão. Berg garantiu que o clube quer fazer história e lutará pelo título contra o Real Madrid, na decisão que acontecerá no sábado, às 14h30 (de Brasília), em Abu Dabi.

"Sabemos que será extremamente difícil, mas ainda sonhamos com o título. A dificuldade está no aspecto físico, jogamos três partidas em um curto período de tempo e isso pode nos afetar. Estou certo de que será uma partida difícil, mas precisamos nos recuperar, ser positivos e juntar nossas forças para a final", garantiu o sueco.

 

 

Mais conteúdo sobre:
futebolMundial de Clubes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.