Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Atacante do Palmeiras vira exemplo para Corinthians 'salvar' Jô no tribunal

Lance em que Willian acerta um chute em Valdivia serve como referência para o time alvinegro evitar pena pesada para seu artilheiro

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 07h02

O Corinthians enfrenta o Atlético-PR nesta quarta-feira, às 21h, mas antes, o atacante será julgado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva, às 14h30, por ter dado um pontapé no zagueiro Rodrigo, da Ponte Preta. Para tentar evitar uma punição pesada, o departamento jurídico alvinegro pode usar como exemplo o atacante Willian, do Palmeiras.

+ Corinthians enfrenta o Atlético-PR e o STJD nesta quarta-feira

Em setembro, Willian foi expulso durante a partida diante do Atlético-MG após dar um chute no meia Valdivia. Além de receber o cartão vermelho, o palmeirense foi julgado pela agressão e acabou sendo absolvido. A ideia dos advogados do Corinthians é mostrar que a situação é parecida, por isso, o tribunal deveria também não punir o corintiano.

O Corinthians mostra confiança com o julgamento de Jô e acha que a tendência é conseguir desqualificar o artigo 254-A do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que fala de prática de agressão física. Caso consiga convencer os juízes a mudar o artigo, o atacante pode ser absolvido ou pegar uma pena branda.

Se condenado, Jô pode pegar de quatro a 12 jogos de suspensão. Independente do resultado do julgamento, o atacante poderá enfrentar o Atlético-PR normalmente nesta quarta-feira. Depois desse jogo, restarão cinco jogo até o término do Brasileiro.

+ Arana revela ver vídeos de Roberto Carlos para aprimorar chutes no Corinthians

Após o clássico com o Palmeiras, quando já sabia que seria julgado, Jô admitiu a agressão, mas disse esperar por absolvição. “É complicado falar que não aconteceu. Houve o contato. Ele (Rodrigo) estava vindo para trás. Mas eu fiz o movimento, tocou nele. Agora tem de esperar o que nosso advogado tem como defesa. Se tiver punição, espero que seja a mínima possível”, falou. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.