José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Atacantes do São Paulo vivem momento de seca de gols

Pato, Alan Kardec e Luis Fabiano tentam superar jejum que tem atrapalhado a equipe na reta final do Brasileirão

Fernando Faro , O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2014 | 07h00

Alexandre Pato, Alan Kardec e Luis Fabiano estão entre os atacantes mais badalados do futebol brasileiro, mas o o instinto goleador do trio parece ter adormecido e deu lugar à estiagem de bola nas redes e viraram dor de cabeça para o São Paulo nesta reta final de Brasileiro.

A situação mais dramática é de Kardec. Contratado para ser a referência ofensiva da equipe, o atacante não marca desde a vitória sobre o Cruzeiro, em 14 de setembro. São 11 partidas em branco, marca que é compensada pelo papel tático desempenhado pelo jogador. "Ele se sacrifica demais pelo time, é um dos que mais corre", afirmou recentemente Muricy Ramalho ao defendê-lo.

Pato vive uma situação um pouco melhor: foi dele o gol de honra na derrota para o Fluminense, há quase um mês. De lá para cá, o atacante - desfalque nas últimas duas partidas por conta de um edema na coxa esquerda - viu cessar a fase excepcional em que chegou a marcar oito vezes em dez jogos. Embora não tenha repetido a fase artilheira, o jogador ainda tem se garantido pela movimentação intensa que acaba abrindo espaços para os companheiros.

Como dificilmente o camisa 11 irá se recuperar a tempo da partida contra o Goiás, a responsabilidade cairá sobre Luis Fabiano, que busca uma nova volta por cima no clube. Depois de um primeiro semestre impecável em que marcou 15 gols em 27 partidas, o jogador ainda tenta ganhar ritmo depois de sofrer dois estiramentos musculares na coxa direita e deixou sua marca apenas uma vez desde que voltou ao time, em setembro.

"Estou trabalhando firme, me sentindo bem e sem nenhum tipo de dor. Respeito as escolhas do treinador e os companheiros que estão brigando por um lugar no time. Se tiver oportunidade de jogar farei meu máximo para ajudar o São Paulo a conseguir uma vitória", disse ao site oficial do clube.

Apesar do momento ruim dos principais jogadores de frente, o Tricolor ainda é o segundo melhor ataque na competição, com 47 gols. Mesmo tendo marcado apenas cinco vezes nos últimos cinco jogos. "Às vezes o fato de mudar muito o time por causa das lesões e suspensões atrapalha", ponderou Michel Bastos. "Não acho que preocupa. Faz parte ficar um ou dois jogos sem marcar, mas claro que se continuar precisamos olhar com cuidado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.