Ataque a judeus será lembrado em Argentina e Irã

Atos em memória dos 85 mortos há 20 anos estão programados em São Paulo e no Rio; investigação aponta Irã como autor do atentado

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2014 | 05h00

Membros da comunidade israelita latino-americana pretendem aproveitar a partida entre Argentina e Irã, para relembrar os 20 anos do atentado terrorista à Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), que deixou 85 mortos e feriu mais de 300 pessoas, em Buenos Aires.

As investigações feitas pelo governo argentino apontaram integrantes do governo do Irã como responsáveis pelo ataque com o carro-bomba.

Além de atos em São Paulo e no Rio, torcedores pretendem estender uma faixa no Mineirão - local do jogo - para lembrar do ataque.

A Confederação Israelense Latino-Americana chegou a enviar uma carta à Fifa pedindo que fosse feito um minuto de silêncio antes do começo da partida. A organizadora da Copa não respondeu ao pedido. O presidente da confederação, Jack Terpins, afirma que as faixas na arquibancada não serão uma tentativa de afrontar a Fifa - que proíbe manifestações de cunho político nas partidas da Copa. "Não é para protestar contra nada. É para lembrar do ato e pedir justiça", diz.

"Uma coisa que fica é que não foram 85 judeus mortos no atentado. Foram 85 argentinos. O governo da Argentina fez um acordo esdrúxulo com o governo do Irã para punir os responsáveis, o que nunca aconteceu. Queremos a punição deles", afirma Terpins.

Manifestações. Fora dos estádios, os atos serão no vão livre do Masp, em São Paulo, e na Praia de Copacabana, no Rio. Às 12h30, os manifestantes vão começar a leitura dos nomes dos mortos no ataque e vestirão camisetas com a frase "#1minutopelapaz", em menção ao pedido feito à Fifa. A leitura deve acabar às 12h59, quando será feito o minuto de silêncio. A partida entre Argentina e Irã está marcada para as 13h.

O atentado aconteceu em 18 de julho de 1994 e é relembrado anualmente com um minuto de silêncio. "A ideia de juntar a proximidade do aniversário com a Copa surgiu entre os jovens da comunidade", explica Silvia Perlov, uma das organizadoras da manifestação em São Paulo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.