Ataque do time japonês espera ter melhora contra a Colômbia

O jogador Yoshito Okubo tem consciência que precisa se posicionar melhor próximo ao gol, e diz que continuará tentando

AE, Agência Estado

23 de junho de 2014 | 21h19

O Japão lutará enquanto tiver chances matemáticas de se classificar para as oitavas de final da Copa do Mundo do Brasil. E os atacantes do elenco esperam melhorar o seu rendimento para ajudar os companheiros, que se preparam para enfrentar nesta terça-feira a Colômbia, líder do Grupo C com duas vitórias sobre Costa do Marfim e Grécia, em Cuiabá.

Além de vencer a Colômbia, o Japão terá que torcer para que a Costa do Marfim não ganhe da Grécia, em duelo realizado também nesta terça, para manter as chances de classificação. O atacante Shinji Okazaki declarou nesta segunda, na Arena Pantanal, palco do jogo, que o Japão dará tudo que tem para tentar vencer os colombianos. "Nós estamos apostando muito nesta partida", declarou.

Mas, para derrotar os colombianos, os japoneses terão que melhorar seu desempenho ofensivo. A equipe desperdiçou algumas chances no duelo contra a Costa do Marfim, em sua estreia nesta Copa do Mundo, em que saiu derrotada por 2 a 1. Na última quinta, contra a Grécia, não conseguiu sair do 0 a 0 mesmo jogando com um atleta a mais desde o final do primeiro tempo. Okazaki acredita que os japoneses não podem deixar a pressão atrapalhar o desempenho da equipe no Mundial. "Nós não podemos pensar demais sobre o fato de estarmos na Copa do Mundo. Só temos que manter o desempenho que vínhamos tendo antes do torneio", analisou.

Também atacante do plantel japonês, o veterano Yoshito Okubo, de 32 anos, perdeu uma ótima oportunidade contra a Grécia. Com 59 participações pelo Japão, o atacante afirmou que irá trabalhar o posicionamento para tentar ajudar sua equipe. "Preciso me posicionar melhor próximo ao gol. Até agora não tem dado certo, mas vou continuar tentando", afirmou. Vale lembrar que o único gol dos japoneses na competição foi marcado pelo meia Keisuke Honda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.