Ataque é a preocupação de Ricardo Gomes

Ricardo Gomes tentou de tudo, mas não consegue resolver o problema da falta de contundência do ataque brasileiro. Já escalou Robinho, Dagoberto e Daniel Carvalho, depois colocou Marcel para ser o homem de área, deu chance a Nilmar durante o jogo contra a Argentina, sacou o volante fixo (Paulo Almeida) para colocar um que sabe sair para o jogo (Dudu Cearense), trocou Maxwell por Wendell para ganhar no apoio pelo lado esquedo, mas nada adiantou. O time do Brasil cria e perde chances com a mesma facilidade, o que vem complicando sua vida no Pré-Olímpico."Volume de jogo nós temos tido, mas não estamos conseguindo traduzir isso em gols. Em todos os jogos nós criamos mais chances que o adversário", afirmou o treinador da seleção.Sua tese foi confirmada até pelo técnico argentino Marcelo Bielsa. Na entrevista coletiva que deu depois do jogo de quarta-feira, ele reconheceu a superioridade brasileira. "Foi a única vez no torneio que o adversário teve mais chances de gol do que nós. Nosso goleiro foi decisivo para o resultado", admitiu o rival.Não há mais tempo para treinar, mas não se pode dizer que é por falta de praticar que os jogadores estão falhando tanto nas conclusões. Na primeira fase, em Concepción, o auxiliar-técnico Cristovão Borges sempre comandava um trabalho de finalizações no final de cada treino.Os jogadores admitem que estão devendo nesse fundamento e acham que a explicação está na ansiedade. "É tanta vontade de fazer o gol que acaba até atrapalhando. Se tivermos mais calma contra o Chile, com certeza os gols vão sair e vamos conseguir a vitória", disse Marcel, que perdeu três ótimas oportunidades contra a Argentina quando o jogo ainda estava empatado.Robinho, que é o artilheiro do time com três gols mas passou em branco nos últimos três jogos, acha que a cobrança não pode ser em cima só dos atacantes. "Aqui na seleção todo mundo pode fazer gol", avisou o atacante do Santos.O fato é que o time chegou a uma situação em que não pode mais errar. Afinal, nova derrota para o Chile, nesta sexta-feira, às 23h10, acaba com as chances do Brasil ir aos Jogos de Atenas. Como disse Ricardo Gomes, jogar bem não é suficiente para ganhar e o importante é colocar a bola para dentro. "Numa decisão, se aparecerem duas chances, você precisa meter pelo menos um gol. Se não conseguir, complica", completou Branco, o chefe da delegação brasileira.

Agencia Estado,

22 de janeiro de 2004 | 19h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.