Matthew Childs / Reuters
Matthew Childs / Reuters

'Até 2014, eu era o melhor centroavante do mundo; depois, acabou tudo', desabafa Higuaín

Atacante argentino dá conselho para Lautaro Martínez e acredita que terá seu papel na seleção valorizado após a aposentadoria

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2021 | 23h23

Um centroavante com muitos gols na carreira, mas que falhou na hora de se consagrar pela seleção. É possível que esta seja a maneira pela qual Higuaín será lembrado no futuro, após perder gols na final da Copa do Mundo de 2014, quando a Argentina acabou derrotada pela Alemanha, e das Copas América de 2015 e 2016, quando a equipe foi derrotada pelo Chile.

Em entrevista ao jornal La Nación, o argentino disse, no entanto, que não acredita neste cenário. Para ele, sua contribuição será mais valorizada após se aposentar do futebol profissional.

“Acredito que com o tempo tudo vai se acalmar, que vai custar muito para chegar a uma final da Copa do Mundo de novo. Não é fácil, você não vai a uma Copa do Mundo e joga. Com o tempo eles vão valorizar mais o que eu fiz, não tenho dúvidas, mas nenhuma. Mas ainda é recente, o tempo vai ter que passar e vai ser valorizado", afirmou Higuaín.

O atacante ainda deixou conselhos para Lautaro Martínez, que o sucedeu como 'camisa nove' da Argentina. “Eu diria para ele ficar calmo, é um longo caminho. Por enquanto, para o Lautaro só há mimos na seleção. O que aconteceu comigo até a final contra a Alemanha. Até 2014 eu era o melhor camisa 9 do mundo, e depois da Alemanha estava tudo acabado. Até então eu tinha marcado nove gols nas eliminatórias, algo que ninguém fala, porque não esqueçamos que é preciso fazer gols nas eliminatórias para chegar a uma Copa do Mundo. Diria ao Lautaro para fique calmao porque agora tá tudo 'rosa' com ele”, afirmou.

Na entrevista, Higuaín também falou sobre ter sido o jogador que mais atuou com Messi e Cristiano Ronaldo - com um, na seleção argentina; com o outro, no Real Madrid e na Juventus. “Se eu sou o jogador que mais jogou com os dois, então era o que mais entendia os dois. Entendendo o Cristiano e entendendo o Messi... o problema não é deles, o problema é seu. Aquele que mais jogava com eles, é porque os compreendia perfeitamente. Sabia do que gostavam, do que não gostavam, como se sentiam mais à vontade, como se sentiam mais desconfortáveis", analisou.

Atualmente, Higuaín está no Inter Miami, time da MLS. O jogador anunciou a aposentadoria da seleção argentina em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.