Atentados quase cancelam jogo do SP

O jogo entre São Paulo e Peñarol, que ocorrerá amanhã, às 21h40, em Montevidéu, pela Copa Mercosul, quase teve de ser cancelado por causa dos ataques terroristas nos Estados Unidos. A delegação do clube brasileiro viajaria para o Uruguai na manhã de hoje pela American Airlines. A empresa americana, porém, cancelou a maioria dos vôos - e retardou outros -, em razão da tragédia, inclusive o que levaria os são-paulinos para Montevidéu. Depois de quase cinco horas de "batalha", os dirigentes conseguiram fretar um vôo da TAM por volta das 15 horas. Com o atraso, o técnico Nelsinho Baptista não pôde realizar o trabalho que programava fazer com os jogadores. A equipe tenta, pela primeira vez na história, conquistar uma vaga na segunda fase da Mercosul, disputada desde 1998. Na última rodada, perdeu dois pontos em casa, empatando com o Vélez Sarsfield, no Morumbi. Segundo os cálculos de Nelsinho, a equipe terá de vencer pelo menos um jogo fora, além do Talleres, na capital paulista, para se classificar. O time, que está no Grupo D, tem 5 pontos. Pelo retrospecto, a missão não será nada fácil. Nos três anos anteriores, conseguiu ganhar apenas uma vez no campo do adversário. Foi em 11 de agosto de 99, contra o Universidad Católica, no Chile, por 3 a 0. Apostando na boa fase do atacante França, que espera nova chance na seleção brasileira, Nelsinho procura quebrar o tabu de mais de dois anos sem vitória fora de casa. Avisa, contudo, que a defesa precisará ficar atenta com cobranças de falta e escanteio do adversário. "O ponto forte deles é a bola parada." O treinador confirmou que Luiz Fabiano retorna à equipe. Ele não atuou contra o Goiás, domingo, por estar suspenso. "A partir de agora, vou evitar os cartões", garantiu o atacante, que recebeu da diretoria multa de 40% sobre o salário, pelo excesso de cartões que vem recebendo. O jovem Leandro, de 19 anos, viajou com a delegação para o Uruguai e ficará no banco. Belletti retorna à lateral-direita no lugar de Reginaldo Araújo. A comissão técnica conversou bastante com os atletas a fim de alertá-los sobre a tradicional "catimba" uruguaia. O Peñarol, que tem 4 pontos, precisa da vitória para se manter com chances de classificação. "Não podemos entrar no jogo deles, precisamos manter o equilíbrio", disse Júlio Baptista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.