Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Atleta que mais atuou pelo Santos no ano, Pituca perde espaço no fim da temporada

Jorge Sampaoli entende que o jogador perdeu rendimento após lesão em clássico contra o Corinthians, pela 28ª rodada do Brasileirão

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

27 de novembro de 2019 | 08h38

Jogador mais vezes utilizado pelo Santos em 2019, Diego Pituca vive um momento raro no clube. Embora tenha participado dos últimos três jogos da equipe, em todos eles o volante saiu do banco de reservas, algo que ainda não havia acontecido nesta temporada e deverá se repetir na quinta-feira, quando a equipe vai visitar o Fortaleza, no Castelão, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Até agora, são 54 jogos oficiais disputados por Pituca pelo Santos em 2019. Ele, assim, atuou uma vez a mais do que o uruguaio Carlos Sánchez, que poderá igualá-lo na quinta, pois deverá começar jogando no confronto com o Fortaleza, e duas a mais do que Gustavo Henrique. E com quatro rodadas para o fim do Brasileirão, eles são os únicos que podem ultrapassá-lo na relação de atletas que mais jogaram pelo clube nesta temporada.

Já em número de partidas como titular, Pituca está empatado em 51 com Gustavo Henrique. O volante, porém, não será ultrapassado nesta quinta porque o zagueiro cumprirá suspensão automática pelo terceiro cartão amarelo. Nesse caso, Sánchez está mais distante de ambos, com 44 duelos iniciados.

O técnico Jorge Sampaoli não está insatisfeito com Pituca, mas entende que o volante perdeu rendimento após se lesionar em clássico contra o Corinthians, pela 28ª rodada do Brasileirão. Ele desfalcou o time diante do Bahia, atuou como titular contra Botafogo e Goiás, mas depois passou a ser preterido pelo treinador, que vem escalando Alison no meio-campo. "Pituca é fundamental sempre, mas com o passar do tempo, com uma lesão, perdeu rendimento e esperamos que se recupere", afirmou o treinador.

Curiosamente, foi como reserva que Pituca encerrou um jejum de mais de seis meses sem gols. No último sábado, entrou no fim do segundo tempo da vitória por 4 a 1 sobre o Cruzeiro e deixou sua marca, algo que não acontecia desde 12 de maio, na vitória por 3 a 0 sobre o Vasco, no Pacaembu, pela quarta rodada do Brasileirão. E também foi seu primeiro gol na Vila Belmiro pelo clube.

Agora, ainda que iniciando o duelo entre os reservas, espera ajudar o Santos a superar o Fortaleza, no Castelão, para sustentar a vice-liderança do Brasileirão. "A gente já foi surpreendido por eles na Vila empatando em 3 a 3. É uma equipe bem treinada pelo Rogério Ceni. Esperamos ir lá (Arena Castelão) e voltar com os três pontos", alertou, ao site oficial do Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.