Atletas criticam disputa das Eliminatórias

A conquista do Mundial de 2002, ao contrário do que ocorria até então, não valeu como garantia à seleção brasileira de ficar fora das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2006. A nova determinação da Fifa contrariou os jogadores do Brasil e provocou muitas críticas de Rivaldo, Roberto Carlos e até de Cafu, o capitão do pentacampeonato.Para Rivaldo, o sacrifício do grupo que chegou à Coréia do Sul e Japão ano passado para disputar o Mundial foi desprezado pela mudança das regras. "Viagem para lá e para cá a toda hora, críticas, tudo isso de novo. É totalmente errado, fomos campeões, tínhamos de descansar", defendeu. O atleta do Milan, no entanto, disse que agora não adianta mais pensar na decisão da Fifa. "Só nos resta jogar."O lateral Roberto Carlos foi mais contundente. Afirmou tratar-se de uma questão estritamente comercial. "Por isso, puseram o campeão do mundo para disputar as Eliminatórias. Só vejo esta razão." Cafu também reclamou, embora parecesse resignado. Defendeu a idéia de que o campeão mereceria alguma vantagem. "Vamos de ter de trabalhar dobrado", afirmou.Bola - Alguns jogadores estranharam o peso da bola usada no treino desta quarta-feira, em Teresópolis, a mesma que será usada na partida contra a Colômbia. Roberto Carlos a considerou mais leve que a comum e disse que os goleiros tenderiam a sofrer mais com o problema. "O importante é que continua redonda", brincou. Já o zagueiro Edmílson disse que a bola, fabricada por uma empresa colombiana, é mais pesada e que isso não vai representar alteração considerável no jogo de domingo. "Na França, todo jogo tem bola diferente, que é a do clube mandante", explicou o atleta do Lyon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.