Beto Barata/AE
Beto Barata/AE

Atletas do Palmeiras lamentam vacilo e empate 'sem explicação'

Atuando fora de casa, palmeirenses venciam com dois jogadores a mais

AE, Agência Estado

25 de setembro de 2011 | 20h37

GOIÂNIA - O empate por 1 a 1 diante do Atlético-GO neste domingo teve gosto de derrota para o Palmeiras. Apesar de atuar fora de casa, a equipe vencia por 1 a 0, ficou com dois jogadores a mais, com as expulsões de Anderson e Vitor Junior, mas acabou cedendo a igualdade no segundo tempo.

Na saída do gramado após o jogo, os próprios jogadores do Palmeiras tinham dificuldades para explicar o resultado. "Mais uma vez falhamos. Não tem explicação", declarou o volante Marcos Assunção, visivelmente irritado com o fracasso do time, em entrevista ao SporTV.

Durante a partida, o técnico Luiz Felipe Scolari reclamou muito da postura da equipe, que, mesmo com a vantagem numérica em campo, não se lançava ao ataque. Para o atacante Kleber, no entanto, o principal problema do Palmeiras aconteceu na boneada que gerou o gol do time goiano, quando Felipe recebeu a bola dentro da área, em cobrança de lateral, e achou Thiago Feltri sozinho nas imediações. Ninguém o marcou.

"A gente não pode sair atacando e não guardar posição atrás. É inadmissível tomar gol de lateral", afirmou Kleber, que, mesmo com o resultado decepcionante, continua acreditando na vaga para a Libertadores de 2012. O Palmeiras é o oitavo colocado no Campeonato Brasileiro, com 39 pontos, e está a dois do Fluminense, última equipe da zona de classificação para o torneio continental. "Não tem nada perdido. Estamos dois pontos atrás de Flamengo e Fluminense. E ainda tem confronto direto", avaliou o atacante.

Em entrevista depois da partida, Felipão não escondeu a decepção com seus jogadores. O que mais irritou o técnico foi o fato de essa situação de superioridade numérica ter sido treinada durante a semana na Academia e, na partida, não ter sido colocada em prática.

"Trabalho isso toda a semana, situação de diferença numérica. Neste campo era ainda mais fácil por ser um campo largo. Mas quem teve chance foram os jogadores do Atlético-GO, nós não. Faltou muita coisa hoje, como faltou em outros jogos, então acho que está faltando uma química qualquer", apontou o treinador do Palmeiras. 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato BrasileiroPalmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.